Home Cidades Araçatuba Comitê de Controle da Dengue aponta que 80% dos criadouros estão dentro das residências

Comitê de Controle da Dengue aponta que 80% dos criadouros estão dentro das residências

5 minutos de leitura
Compartilhe esta notícia!

DA REDAÇÃO – BIRIGUI

O Comitê Permanente de Mobilização, Prevenção e Controle da dengue, zika e chikungunya de Birigui esteve reunido na manhã desta segunda-feira (9) e fez um importante alerta aos moradores. Segundo o Comitê, 80% dos criadouros do mosquito Aedes aegypti estão dentro das residências e o alto número de criadouros nas casas é alarmante.
“É um dado que apresenta gravidade e mostra que o poder público não pode fazer nada sozinho. Precisamos do apoio dos moradores. Que eles façam a limpeza de seus imóveis e que permitam que os agentes entrem nas casas durante os mutirões de limpeza”, falou a diretora do Departamento de Vigilância Epidemiológica de Birigui, Mauricéia Gonçalves.
O Comitê foi criado em 2007, por uma determinação federal, e anualmente tem seus membros atualizados. Em maio de 2017, a atual gestão municipal publicou o decreto 5.847, convocando representantes de todos os segmentos da sociedade para integrar o Comitê.
O prefeito de Birigui, Cristiano Salmeirão, é o atual presidente do Comitê. Os trabalhos desta segunda-feira (9) foram abertos por ele, em reunião realizada no Centro Médico Hospitalar, que fica na sede da Secretaria de Saúde de Birigui.
Participaram do encontro a secretária municipal de Saúde, Marian Fátima Nakad, a secretária municipal de Educação, Meiriane Beltran, o secretário municipal de Serviços Públicos, Água e Esgoto, Rafael Polizel, o secretário municipal de Expediente e Comunicação, Tiago Contador Lotto, representantes da Polícia Militar, da Diretoria de Ensino de Birigui, do Tiro de Guerra, do Corpo de Bombeiros, da Polícia Ambiental, entre outros.
Os profissionais do CCVZ (Centro de Controle de Vetores e Zoonoses), do Departamento da Vigilância Sanitária e do Departamento de Vigilância Epidemiológica passaram dados sobre o mosquito Aedes aos presentes e, também, ouviram sugestões para que o trabalho de combate ao mosquito possa surtir efeito.
“Geralmente em março vivemos o pico de casos, após os períodos de chuvas, que impulsionam a disseminação do Aedes. A falta de cuidado com a água parada é um dos motivos pelos quais a doença se alastra. Não podemos descuidar, principalmente agora”, falou o chefe do CCVZ de Birigui, João Paulo Salatino.
De 1º de janeiro deste ano até 2 de março, o município registrou 696 notificações. São 399 casos prováveis de dengue (106 casos positivos e 293 casos em investigação).
Até o momento, 297 já foram descartados, apontados como casos negativos.
Com relação aos óbitos, 5 casos estão sendo investigados de morte por dengue.
Já com relação a chikungunya, 2 casos estão sendo investigados. Um caso de zika vírus também está sendo investigado na cidade.
“Convocamos essa reunião para divulgar os números de casos e fazer uma alerta: que a sociedade, órgãos públicos e terceiro setor não deixem de unir forças para combater o mosquito. Ele pode matar e nesta época do ano é o momento de maior atenção para as doenças causadas pelo Aedes”, disse o prefeito de Birigui.


Compartilhe esta notícia!