AraçatubaCidades

Mais um dia na seca

ARNON GOMES – ARAÇATUBA

Moradores da zona leste de Araçatuba tiveram ontem mais um dia de falta’dágua. Dessa vez, provocado pelo rompimento na rede de distribuição ao reservatório Hilda Mandarino, que abastece aquela região da cidade. Apesar de a Samar (Soluções Ambientais de Araçatuba) ter divulgado que a manutenção para reparo de rede adutora foi concluído, com bombeamento para o sistema reiniciado às 9h, muitos moradores passaram o começo do fim de semana sem ver uma gota caindo das torneiras. A expectativa era de que tudo fosse normalizado até o fim do dia.
Os bairros prejudicados foram os mesmos de sexta-feira: Hilda Mandarino, Ivo Tozzi, Elias Stefan (Araçatuba G), Toyokazu Kawata, Agua Branca, Vista Verde, Condominio Mansour, Panorama, Alvorada, Concórdia, Pinheiros, Umuarama, Vicente Grosso, João Batista Botelho, Condominios Royal Boulevard e Alphaville.
Para amenizar o problema em mais um dia de calor intenso, com temperatura chegando a 37 graus, a Samar disponibilizou caminhões-pipa em três diferentes pontos: Rua Uruguaiana com Rua Xavier de Toledo, no bairro Alvorada; Rua Joaquim Cândido (em frente ao Batalhão de Polícia), no Umuarama; Rua Aurea de Oliveira dos Santos, 200, Água Branca. Mesmo assim, muitos foram os moradores que precisaram recorrer a fontes alternativas, como se dirigir a residências de parentes ou amigos de outros bairros para as condições básicas de higiene.
Muitos também tiveram prejuízos, tendo que comprar galões ou indo a restaurantes para fazer suas refeições.
Nas redes sociais, não faltaram manifestações de repúdio. Revoltadas, consumidores se diziam cansados da situação e exigiam providências. “Estou indo para um hotel e depois vou pedir judicialmente o ressarcimento, bem como pelos constrangimentos”, disse um internauta.
ORIGEM
Toda essa agonia começou na madrugada de sexta-feira. O rompimento de uma tubulação de 300 mm de extensão dificultou a junção das redes no Sistema Hilda Mandarino, fazendo com que aquele dia fosse marcado pela escassez em toda a zona leste. Técnicos da empresa passaram a sexta trabalhando para a normalização do sistema, mas, com o problema ocorrido ontem, foi o segundo dia consecutivo na seca.
Na quinta-feira, a Samar havia comunicado a possibilidade de interrupção no fornecimento de água naquela região, mas por causa da continuidade de obras de setorização do abastecimento no município, o que levou suas equipes a realizarem a reversão do recalque de água tratada para o Sistema Hilda Mandarino. Quando a obra começou, por volta das 8h de quinta, a expectativa era de que a normalização deveria acontecer até as 20h do mesmo dia.
CÂMARA
Todo esse transtorno teve repercussão imediata no meio político. Já na sexta-feira, foram protocolados dois requerimentos na Câmara sobre o problema. O primeiros pede que a Prefeitura informe ao Legislativo quantas vezes a Samar foi multada pelo Daea (Departamento de Água e Esgoto de Araçatuba), agência reguladora do serviço na cidade, desde 9 de abril do ano passado. O segundo pede a convocação do comissário-geral do Daea, Márcio Saito, para comparecer ao parlamento a fim de esclarecer aos vereadores a constante falta de água em bairros de Araçatuba. Ambos os pedidos deverão ser votados na sessão de amanhã.

Moradores ateiam fogo na entrada da Samar

Desde a noite de sexta-feira, o clima foi tenso em frente à Samar. Moradores revoltados foram até o local para tentar encontrar respostas, depois de tantas horas sem um pingo de água nas torneiras. Por volta das 21h, um grupo ateou fogo em materiais plásticos e impediu a entrada e saída de veículos.
Conforme informações apuradas pela reportagem, policiais militares foram acionados e conseguiram controlar a confusão. Houve uma conversa com os manifestantes, que não chegaram a ser detidos por conta da situação, pois não havia nenhum registro policial na Central de Flagrantes.
Algumas horas depois, pela segunda vez, a Polícia Militar foi chamada na sede da empresa. Dessa vez, cinco moradores começaram a discutir com funcionários por conta da falta d’agua nos bairros da zona leste do município. Os policiais chegaram, conversaram com os envolvidos e conseguiram apaziguar toda a situação.

 

Consumidora consegue indenização por problema ocorrido em março

Esta foi a segunda vez, neste ano, que moradores da zona leste enfrentaram um longo período sem água. Em março, por pelo menos quatro dias, 40 bairros nas regiões norte e sul de Araçatuba tiveram interrupção no fornecimento de água. Isso motivou uma série de ações na Justiça contra a Samar.
Na maioria delas, o Judiciário rejeitou pedidos de indenização por dano moral feitos por moradores que, de alguma forma, foram prejudicados. Na prática, os julgamentos dependeram da interpretação dada pelo juiz.
Em um caso, a Samar foi condenada a pagar indenização de R$ 3 mil a uma moradora que, assim como os demais, entre 8 e 12 de março, sofreu com a interrupção do fornecimento de água, sem prévia comunicação. Apesar da promessa de restabelecimento dos serviços em seis horas, a interrupção se prolongou por quatro dias.
A empresa argumentou a necessidade de manutenção emergencial e informou ter minimizado os problemas com caminhões-pipa. Entretanto, a tese não conveceu o juiz Antonio Mansur Filho, que condenou a Samar.
Disse o magistrado, em sua sentença: “A necessidade de reparos e problemas nas redes de esgoto e de fornecimento de água (…) insere-se no âmbito de suas atividades empresariais e, por conseguinte, comporta possibilidade de previsão e prevenção, (…) não se admitindo a transferência dos riscos e encargos da atividade ao consumidor”.

 

Comment here