Compartilhe esta notícia!

DA REDAÇÃO – ARAÇATUBA

Os ataques por drones a refinaria de petróleo na Arábia Saudita provocaram instabilidade no mercado internacional e elevação dos preços. O governo brasileiro se antecipou afirmando que o preço da gasolina não teria reajuste. No entanto, menos de 48 horas depois de manifestação do presidente Jair Bolsonaro e menos de 24 horas após comunicado da Petrobras, o preço dos combustíveis dispararam em Araçatuba. A gasolina que chegou a ser comercializado a R$ 3,86 até segunda-feira, está custando no mesmo estabelecimento R$ 4,37. Embora sem qualquer relação com os ataques no Oriente Médio, o etanol também acompanhou o reajuste e subiu em média 15%.
Já prevendo que poderia haver especulação nos preços por conta dos ataques na Arábia Saudita, na terça-feira (17), a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), distribuiu nota sobre o assunto.
“A ANP está atenta aos preços dos combustíveis praticados no Brasil. Os preços são livres, por lei, em todas as etapas da cadeia: produção, distribuição e revenda. Diante de denúncias de preços abusivos, a ANP faz ações de campo para confirmar essas suspeitas. Quando constata a prática de preços abusivos, a Agência atua em conjunto com os Procons para penalizar os infratores”.
A Petrobras informou, na terça-feira, por meio de nota, que está monitorando o mercado internacional de petróleo, em função dos ataques a uma refinaria na Arábia Saudita. Os ataques aéreos à refinaria de Abqaiq resultaram na elevação dos preços internacionais do petróleo. Por enquanto, não há previsão de reajuste de preços nos produtos negociados pela estatal, como os combustíveis e derivados de petróleo.
Segundo a Petrobras, a cotação internacional do petróleo apresenta volatilidade e a alta súbita de preços “pode ser atenuada na medida em que maiores esclarecimentos sobre o impacto na produção mundial sejam conhecidos. A Petrobras decidiu por acompanhar a variação do mercado nos próximos dias e não fazer um ajuste de forma imediata”, diz a nota.
Na segunda-feira, o presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista à TV Record que a Petrobras não vai mexer no preço dos combustíveis.
“A tendência natural é seguir o preço internacional que vem da refinaria para a bomba, no final das contas. O governo federal já zerou os impostos da Cide e não podemos exigir nada de governadores no tocante ao ICMS. Conversei agora há pouco com o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e, como é algo atípico, ele não deve mexer no preço do combustível” disse o presidente.

REGIÃO
A reportagem fez rápida pesquisa em cidades da região. Nessa semana não houve aumento. Em Três Lagoas, o consumidor encontra gasolina a partir de R$ 3,95 até R$ 4,30. Já em Andradina, o preço está entre R$ 4,00 e R$ 4,30. Em São José do Rio Preto, a gasolina é comercializada em média a R$ 4,10, etanol a R$ R$2,50 e diesel a R$ 3,40. Em Araçatuba a gasolina chegou a ser comercializada a R$ 3,86 e o etanol a R$ 2,34. Agora tem posto com gasolina a R$ 4,34 e o etanol a R$ 2,777

POSTOS
O proprietário de um posto de combustíveis falou com a reportagem com a condição de ser mantido o anonimato. Segundo ele, o reajuste dos combustíveis nessa semana nada tem a ver com a questão do petróleo ou dos ataques na Arábia Saudita. “O preço dos combustíveis de Araçatuba era o mais baixo da região há vários dias por conta de ações de mercado. Um determinado posto baixou os preços e a maioria teve de acompanhar para manter a competitividade. Agora os preços voltaram aos patamares de um mês antes”, garantiu o comerciante.

Procon de Araçatuba pede fiscalização sobre postos
O diretor do Procon de Araçatuba, Carlos Eduardo Spegiorin, disse ontem que encaminhou oficial à unidade regional de Presidente Prudente pedindo fiscalização em postos de combustíveis. O trabalho é feito com acompanhamento de equipe de Araçatuba.
Spegiorin explicou que o aumento por si só não é ilegal ou caracteriza irregularidade. Por isso, a análise deve ser criteriosa para saber se houve abuso na elevação dos preços. O diretor do Procon disse que são solicitadas notas fiscais da distribuidora e cupons fiscais de um mês para avaliar o percentual de lucro. A mesma avaliação é feita com os valores atuais, tanto da distribuidora como do cupom fiscal de venda ao consumidor. Tudo isso para analisar o comportamento de preços. e os critérios adotados para fazer os reajustes.
Segundo o Carlos Eduardo Spegiorin, as ações e fiscalizações são pautadas por critérios técnicos. Normalmente as pessoas imaginam ações e punições rapidamente, sem análise. Por ser um setor de livre definição de preço, há necessidade de observar a “abusividade” no estabelecimento dos reajustes. Nesse ano já foram feitas outras fiscalizações no setor.


Compartilhe esta notícia!
Mostrar mais
Carregar mais em Araçatuba

Veja também

Árvores cortadas na avenida Brasília estavam irregulares, diz parecer técnico

Compartilhe esta notícia!ARNON GOMES – ARAÇATUBA Motivo de reclamações de moradores,…