Home Cidades Araçatuba Vice-cônsul do Japão visita o Ritinha Prates

Vice-cônsul do Japão visita o Ritinha Prates

3 minutos de leitura
Compartilhe esta notícia!

DA REDAÇÃO – ARAÇATUBA

O Hospital Neurológico Ritinha Prates, de Araçatuba, recebeu nessa quarta-feira (18) a visita do vice-cônsul do Consulado Geral do Japão, no estado de São Paulo, Naoki Nakano, e da assessora consular, Marcia Kuga. A passagem pela entidade foi uma retribuição do encontro que representantes da unidade hospitalar tiveram com o cônsul Yasushi Noguchi, em março deste ano, quando ele esteve em Araçatuba, quando participou da abertura da Assembleia Geral Ordinária da Federação das Associações Culturais Nipo-Brasileiras da Noroeste. Na ocasião, a administradora hospitalar Daniele Grizoli e a assistente social Ivanesse Fernandes entregaram a Noguchi um projeto solicitando a doação de um micro-ônibus para o transporte dos usuários do hospital.
De acordo com o projeto, o hospital necessita de um veículo de seis lugares adaptados para cadeirantes, mais cinco lugares para acompanhantes. Atualmente, a entidade conta com uma van, que tem quatro lugares adaptados, no entanto, ela limita a realização de passeios, consultas ou terapias externas, por conta do número reduzido de lugares para usuários e acompanhantes, o que seria resolvido com o micro-ônibus. “Sabemos que o consulado japonês histórico de repasses para a aquisição desses veículos. E, aqui, no hospital, nós estamos realmente precisando dessa solução, vai possibilitar mais conforto aos usuários, além da redução de custos, pois o número de saídas com veículos será reduzido. Independentemente do resultado, estamos satisfeitos e muito agradecidos ao consulado, por toda a atenção que nos deu até agora”, comenta a presidente da associação mantenedora do hospital, Maria Aparecida Nascimento Xavier (Cida).
Os representantes do consulado solicitaram ao hospital informações complementares ao projeto e não deram prazo para resposta. No entanto, afirmaram que, em caso positivo, o repasse pode ocorrer neste ano, se houver orçamento, ou, em segunda hipótese, no ano que vem.

 


Compartilhe esta notícia!