AraçatubaBrasilCidadesMundo

Um dia depois, a comoção

Heloisa Alves/Vitor Moretti – Araçatuba

Palco da tragédia que chocou Araçatuba na tarde de sexta-feira passada, o calçadão de Araçatuba teve, ontem, uma manhã de grande comoção. As pessoas ali presentes nas primeiras horas do dia formaram uma roda e fizeram uma oração para o sargento Júlio César Delfino, do Corpo de Bombeiros, vítima do incêndio que consumiu a Cris Park bijuterias no dia anterior. As orações se estenderam ao tenente Alex Silva de Abreu, que continua internado em estado grave no Hospital Estadual de Bauru.  De mãos dadas, comerciantes, funcionários e pessoas que passavam pelo local, fizeram um minuto de silêncio, seguido do “Pai Nosso”, finalizando com uma salva de palmas.

O clima de comoção foi predominante até o fim do dia, quando houve o sepultamento de Delfino. Depois de ser velado na sede do 20° GB (Grupo de Bombeiros), no bairro Morada dos Nobres, o corpo do sargento de 35 anos foi sepultado por volta das 17h no cemitério Recanto de Paz, no bairro Rosele.

O cortejo fúnebre percorreu as principais ruas e avenidas da cidade. Muitas pessoas, até mesmo aquelas que não tinham nenhum grau de parentesco nem amizade com o sargento, não esconderam a emoção com a homenagem. Mais de mil pessoas compareceram ao Recanto de Paz. O Comandante Geral da Polícia Militar, coronel Marcelo Vieira Salles, esteve presente e entregou a bandeira do Brasil à viúva de Delfino. No fim, o corpo foi sepultado com uma longa salva de palmas e tiros disparados por policiais militares.

 

SAUDADE

A1 Incêndio Sepultamento Sargento Julio César Delfino (47).JPG

Delfino fazia parte da corporação há aproximadamente nove anos. Na memória de quem o conheceu, a figura de um agente dedicado, o que se mostrou no próprio trabalho dele para apagar as chamas da Cris Park. Ele morreu ao ser atingindo por labaredas de fogo, quando o incêndio já estava praticamente controlado. Ele não conseguiu sair a tempo e ficou preso no interior da edificação. O corpo dele foi encontrado após três horas, quando os outros bombeiros conseguiram controlar totalmente as chamas e entrar na loja.

Uma prima dele fez questão de destacar o quanto Delfino honrava o serviço. “Era uma pessoa muito querida, carinhosa e honesta. Ele sempre foi muito dedicado e morreu salvando a vida de outras centenas. Nós perdemos o nosso alicerce da família. Está muito difícil, agora só vai ficar a saudade”, contou, emocionada.

No velório, amigos, familiares, moradores de Araçatuba e região, prestaram as últimas homenagens ao bombeiro morto durante o trabalho. Uma bandeira do Brasil foi estendida no caixão do oficial. Ele deixa a esposa e duas filhas – uma de 8 anos e outra de 3.

A reportagem apurou que o sargento foi um dos primeiros oficiais do bombeiro a chegar ao local da tragédia. Durante o velório, muitos colegas de profissão estavam presentes, além de funcionários do comércio do Calçadão.

 

AUTORIDADES

A1 Incêndio Sepultamento Sargento Julio César Delfino (27).jpg

A emoção tomou conta do local. Muitas pessoas choravam durante a cerimônia. Diversas autoridades estiveram presentes, dentre elas o prefeito Dilador Borges (PSDB), que decretou luto oficial de três dias no município.

O comandante Luiz Alberto Rodrigues da Silva, do Corpo de Bombeiros do Interior, destacou, em entrevista ao jornal O LIBERAL REGIONAL, que ainda é muito cedo para avaliar os fatos. “Todos os procedimentos padrões foram seguidos. Os bombeiros entraram com equipamentos de proteção respiratória, equipamentos de proteção individual”, explica.

Ele classificou o ocorrido como uma fatalidade. “Infelizmente, as fatalidades ocorrem. Houve um colapso na estrutura que acabou atingindo dois integrantes da nossa corporação. É um fato triste, a gente nunca sai para uma ocorrência, achando que isso vai acontecer”, finaliza.

 

Trecho do calçadão é interditado

Os trabalhos dos bombeiros continuaram, durante toda a manhã de sábado, no Calçadão de Araçatuba. Apesar de não haver riscos para um novo incêndio, os militares tentavam diminuir a temperatura do local para que a perícia pudesse executar a vistoria e identificar a principal causa do incêndio que atingiu uma loja de produtos importados.

O comércio esteve parcialmente fechado no trecho do calçadão entre as ruas Princesa Isabel e Duque de Caxias. A Defesa Civil decretou a interdição parcial do comércio no local por causa do risco existente de desabamento. Ainda não se sabe se amanhã (15) o comércio já vai estar liberado totalmente.

Na sexta-feira, o presidente da Alca (Associação dos Lojistas do Calçadão), César Braga, chegou a informar que o centro comercial iria funcionar normalmente ontem. A ligação de gás encanado foi desconectada pelas equipes, justamente para evitar novos focos de incêndio e facilitar a demolição do que sobrou da loja.

Segundo Braga, os donos da loja, que estavam na China, devem chegar hoje a Araçatuba. Eles ficaram sabendo do ocorrido ainda na sexta-feira.

 

A1 Sábado Incêndio Cris Park, velório e remoção (153)Além da comoção, durante a manhã, a expectativa era grande pela transferência do bombeiro Alex da Silva de Abreu. Devido ao mau tempo em Jundiaí, a decolagem do helicóptero Águia atrasou duas horas. Ao meio-dia, a aeronave pousou no estacionamento principal da Santa Casa de Araçatuba. Toda a área foi isolada. Equipes de policiais militares, acompanhadas de um médico, desembarcaram e foram para a UTI (Unidade de Terapia Intensiva), onde Alex estava internado após ter 30% do corpo queimado.

Ele respirava com a ajuda de aparelhos. Segundo o último boletim médico divulgado pela Santa Casa, antes da transferência, o estado de saúde do bombeiro era considerado grave, porém estável. Durante a noite, ele teve picos de febre, mas foi rapidamente controlada.

O helicóptero Águia levantou voo com destino ao Hospital Estadual de Bauru por volta das 13h. Lá, Alex irá receber atendimento especializado para pacientes com queimaduras.

 

INVESTIGAÇÕES

Depois do incêndio, equipes da Perícia foram novamente à loja destruída pelo incêndio. De acordo com informações registradas no boletim de ocorrência, o incêndio teria começado no ar-condicionado do estabelecimento comercial. O laudo completo do que pode ter ocasionado a tragédia deverá ficar pronto em até 30 dias. Um inquérito foi aberto pela Polícia Civil para dar continuidade às investigações.

 

 

 

Comment here