Araçatuba

Escolas de samba vão desfilar em Três Lagoas

A duas semanas do carnaval, quem passa pelo Mercado Municipal, no bairro São Joaquim, fica curioso. O espaço, onde, ao longo do ano, funciona uma oficina de esculturas liderada por Manoel Rodrigues, está repleto de fantasias. Muita cor, muito brilho e algum luxo. Araçatuba não terá desfiles de escolas de samba neste ano por questão de economia, mas os artistas do ramo estão em ritmo frenético nos últimos dias.
Eles correm para deixar tudo pronto até 3 de março. Na noite do domingo de carnaval, duas tradicionais agremiações da cidade – Virada do Sol, a mais antiga; e a Sonho e Fantasia, a maior campeã – irão participar do carnaval de rua em Três Lagoas (MS), a quase 150 quilômetros de Araçatuba.
O convite às entidades carnavalescas araçatubenses se deu por envolvimento de Manoel com a organização da festa na cidade sul-mato-grossense. Fundador e presidente da Sonho e Fantasia, ele também está à frente da produção das duas escolas de Três Lagoas que irão se apresentar: a Unidos da Vila e X-15 Vila Piloto.
A apresentação das escolas está marcada para as 20h, com término previsto à meia-noite. O palco dos desfiles será a avenida Rosário Congro, onde a organização do evento espera reunir um público de até sete mil pessoas. Conforme o O LIBERAL REGIONAL noticiou na última quarta-feira, apesar da realização dos desfiles, não haverá concurso em Três Lagoas. “Este ano não teremos a competição entre as escolas, apenas o desfile, para comemorarmos essa data tão aclamada pelo povo brasileiro. As escolas, com certeza, irão abrilhantar esse carnaval em Três Lagoas”, disse o diretor de Cultura, Rodrigo Fernandes, na ocasião.
A participação de Araçatuba já está até organizada. A Virada do Sol e a Sonho e Fantasia desfilarão, respectivamente, com cem componentes. Cada uma delas levará dois carros alegóricos para a pista. Marcante em sua trajetória de oito títulos em Araçatuba, a cultura afro-brasileira será o enredo da Sonho e Fantasia. Já Virada do Sol reeditará enredo apresentado em 2007, quando contou sua própria história, à época de 35 anos. A diferença é que, desta vez, já se passam 47. Nesse intervalo, entre 2007 e 2019, a escola levantou um caneco. Foi em 2013.
Feliz com convite feito à sua escola para desfilar no estado vizinho, o presidente da Virada, Rosvel Menezes, avalia a participação como uma “resistência do samba”. Disse ele: “Fazer escola de samba sempre foi muito difícil e hoje não é diferente. O convite que recebemos é a prova da tradição carnavalesca de Araçatuba”.

INTERCÂMBIO
Na cidade, os festejos carnavalescos fazem parte do calendário oficial desde 1955, conforme lei sancionada pelo então prefeito Aureliano Valadão Furquim. Porém, sem os desfiles de rua, muitos carnavalescos trabalham nos preparativos da festa em cidades vizinhas. Além das escolas de Três Lagoas, Manoel, da Sonho e Fantasia, coordena também os trabalhos de uma agremiação em São José do Rio Preto e três, em Bauru.

Com programação definida, município vai avaliar proposta que homenageia nomes do passado

Se depender das escolas de samba, mesmo sem os desfiles, Araçatuba poderá ter um momento especial no carnaval deste ano. O secretário de Cultura interino, Luís Cláudio da Silva Benedito Júnior, irá levar ao prefeito Dilador Borges (PSDB) proposta de Rosvel para que, em 4 de março, segunda-feira de carnaval, ocorra o Projeto Osvaldo de Souza-Coro, homenagem ao presidente da escola de samba Os Caprichosos, falecido no ano passado. Nesse dia, a Prefeitura fecharia ruas para as escolas de samba locais se apresentarem de forma simbólica.
E ainda haveria um momento a ser marcado pela nostalgia. A ideia, segundo Rosvel, é entregar a duas personalidades do meio carnavalesco o título de Cidadão do Samba, a exemplo do que acontece em carnavais de cidades de grande porte. Outro plano é entregar às famílias de foliões históricos certificados em homenagem à contribuição que deram ao carnaval da cidade. Seriam homenageados nomes como Vital de Souza, João Navarro, Rosa Fermino dos Santos, Antônio Carlos Spironelli, Geraldo dos Santos, Wellington Mestiço e Vicente Scalla. Também seria entregue uma placa de honra ao mérito a Débora Silva, esposa de José Alves, criador de uma das primeiras escolas de samba, a Rosa Branca, que morreu em 2018.
Enquanto não há essa definição, o secretário de Cultura diz que a programação conta com uma série de eventos para 2 de março, sábado de carnaval. Nesse dia, haverá uma oficina de máscaras e adereços carnavalescos na Biblioteca Municipal; o desfile do Bloco do Gordinho, que reúne entre 500 e 600 pessoas, até a Praça João Pessoa; e a apresentação da Banda Municipal Bruno Zago junto com a cantora Talita Rustichelli.

ARNON GOMES
Araçatuba.

Comment here