AraçatubaCidades

ENTIDADES SUGEREM CONSTRUÇÃO DE PASSARELA PARA MACACOS NA RONDON

Não é de hoje que uma cena chama a atenção de quem trafega pela rodovia Marechal Rondon (SP-300), próximo à base da Polícia Rodoviária, em Araçatuba: os diversos macacos-prego de uma mata da região que transitam pela via em busca de comida, fato que, por outro lado, pode causar acidentes.

Após uma série de discussões e cobranças por soluções, instituições envolvidas diretamente com a questão acabam de chegar a um entendimento: a construção de uma passarela para os primatas.

A informação consta em ofício encaminhado pela FOA (Faculdade de Odontologia) do campus de Araçatuba da Unesp (Universidade Estadual Paulista) ao secretário municipal de Meio Ambiente, Sustentabilidade e Turismo, Petrônio Pereira Lima, o qual O LIBERAL REGIONAL obteve acesso.

No documento, é sugerida a construção da passarela com cinco postes de cimentos e/ou madeira para dar suporte a dois cabos de aço. A ideia é que o dispositivo seja instalado nas imediações do posto da Polícia Rodoviária. “Estes cabos serão mantidos afastados através de suportes de ferro colocados distantes o suficiente para impedir sua sobreposição, eventualmente causada pelos deslocamentos dos animais ou ventos”, diz o texto, que é assinado pelo responsável do Núcleo de Procriação de Macacos-Prego da FOA, José Américo de Oliveira, e pelo vice-diretor em exercício da faculdade, João Eduardo Gomes Filho.

macacos pregos
DOCUMENTO – Ofício da Unesp que aponta como sugestão a construção da passarela de macacos na Rondon

Esse entendimento, segundo apurou a reportagem, resultou de reunião ocorrida em 26 de abril deste ano no Núcleo de Procriação de Macacos-Prego que teve por objetivo a tomada de medidas preventivas a fim de evitar acidentes na Rondon e atropelamento desses animais que habitam o campus da universidade. No encontro, além de representantes da Unesp, participaram membro da Prefeitura de Araçatuba, ViaRondon e Polícia Rodoviária.

AÇÕES

Ao final do ofício, é solicitada a adoção de medidas por parte da administração municipal para viabilizar a construção da passarela. Procurado por este jornal na última sexta-feira, o secretário de Meio Ambiente da gestão do prefeito Dilador Borges (PSDB) confirmou a participação naquele encontro e a proposta apresentada. “Na oportunidade, ficaram acordadas providências para a execução desse projeto”, afirma. Inicialmente, diz Petrônio, o poder público local se comprometeu a providenciar materiais, como cabos de aço, junto à CPFL Paulista.

Entretanto, essa negociação não avançou. De acordo com informações obtidas por O LIBERAL REGIONAL, a ViaRondon, concessionária que administra a rodovia, ficou de incluir esse serviço em suas obras de infraestrutura, mediante realização de estudos. Em nota, a empresa informa que já iniciou esses estudos, ainda em caráter preliminar, com o objetivo de entender e analisar a situação.

“O atropelamento de animais silvestres, neste caso em especial, os primatas, que ocorrem na SP-300 nas proximidades do campus de Araçatuba da Unesp, é um assunto que interessa tanto à ViaRondon quanto à Polícia Militar Rodoviária, assim como à própria universidade e aos usuários que trafegam neste trecho da rodovia”, diz a concessionária, por meio de sua assessoria de imprensa.

Segundo a empresa, a maior incidência de atropelamentos de macacos ocorre nas proximidades do quilômetro 527 da rodovia. A ViaRondon diz que o número poderia ser maior se não houvesse o trabalho realizado pela concessionária, baseado no afugentamento dos animais (que retira os macacos da área de risco).

CONSCIENTIZAÇÃO

Como forma de conscientização, a empresa recomenda aos motoristas que não parem no local para alimentar os animais. Para a ViaRondon, se assim ocorrer, a tendência é a diminuição do número destas ocorrências. Diz a empresa: “Apesar de constar a placa proibindo o estacionamento assim como a orientação sobre a redução de velocidade, diariamente, tem-se notado que os usuários continuam desobedecendo às orientações, o que atrai os primatas e contribui para o aumento do número de atropelamentos”.

Unesp diz que mantém rotina de alimentação a animais

Em resposta a ofício de autoria do vereador Lucas Zanatta (PV), datado de 19 de outubro do ano passado, o responsável pelo Núcleo de Procriação de Macacos-Prego da FOA, José Américo de Oliveira, diz que, apesar da preocupação que a situação traz, os animais são constantemente alimentados.

Segundo ele, os animais são “fartamente alimentados” duas vezes ao dia. “Por outro lado, devemos reconhecer que, sendo animais de vida livre, não há como impedir que se alimentem quando novas oportunidades são oferecidas”, explica o professor. Estes casos, destaca ele, ocorrem principalmente aos fins de semana.

Ele observa que, embora passíveis de multas previstas na legislação, algumas pessoas insistem em oferecer alimentos nas áreas de acostamentos de carros, fora dos limites da faculdade. Muitos casos chegam a ser motivo de fiscalização da Polícia Rodoviária. No mesmo documento, Américo frisa que há uma determinação da Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos Naturais da Secretaria Estadual do Meio Ambiente para que estes animais não sejam realocados para outras reservas, mas vasectomizados e contidos em recintos amplos.

Em três anos, 50 condutores flagrados

Segundo a Polícia Militar Rodoviária, nos últimos três anos, 50 condutores de veículos foram flagrados praticando infrações relacionadas à parada ou estacionamento irregulares na altura do quilômetro 517 da rodovia.

A Polícia diz que as fiscalizações têm sido motivadas pelo fato de motoristas pararem ou estacionarem de maneira irregular a fim de alimentar os macacos-prego, que, além de ameaçarem a segurança, podem colocar em risco suas próprias vidas. A instituição diz, no entanto, que nem todos os casos são possíveis de ser flagrados pelo fato de sua fiscalização de trânsito alcançar uma malha viária de 305 quilômetros em 13 cidades, abrangendo 450 mil pessoas.

Essas informações também foram passadas em resposta a requerimento sobre o caso feito pelo vereador Zanatta. Ao final, o tenente Gercimar Dias dos Santos sugere realização de campanha de conscientização, unindo entidades como Câmara, Prefeitura e polícias Rodoviária e Ambiental, além da Unesp, ViaRondon e Ministério Público.

ARNON GOMES
Araçatuba

Comment here