Home Cidades Andradina Fogo destrói pastagens e área de preservação na região do pontal

Fogo destrói pastagens e área de preservação na região do pontal

4 minutos de leitura
Compartilhe esta notícia!

DA REDAÇÃO – CASTILHO

Incêndio iniciado na terça-feira (13), pouco depois das 12 horas, na região do Pontal, mais conhecida como mini pantanal paulista, em Castilho, está avançando sentido Rio Aguapeí, destruindo pastagens e reservas florestais. O brigadista de Castilho, Messias Donega, que nas últimas semanas vem acompanhando incêndios em várias partes do município, disse que a imagem é desoladora e admite que muitas plantas poderão desaparecer, assim como animais, que já eram raros. “Quem não acompanha de perto o incêndio não tem a dimensão das consequências ambientais”, disse Donega, que também gosta de fazer trilha nos momentos de folga.

Há poucos dias incêndio destruiu grande parte do Parque Estadual do Aguapeí, que abrange vários municípios, inclusive Nova Independência. Neste incêndio, a Defesa Civil Estadual chegou a contratar avião para ajudar no combate às chamas, já que há pontos de difícil acesso. Mesmo assim, o fogo durou vários dias e destruição dezenas de hectares de reserva.

O incêndio iniciado na terça-feira abrange extensa área de preservação e berço de várias espécies animais, pois fica em uma região cortada pelo Ribeirão Moinho e os rios Aguapeí e Paraná, além de cursos d’água menores. “Há pontos que não temos como chega, pois é brejo. Com o vento, os focos de incêndio se multiplicam e muitas vezes não temos como chegar”, disse Donega, afirmando que estão trabalhando no local brigadistas da `Prefeitura, de usinas e contratados, além do Corpo de Bombeiros de Andradina.

Segundo o brigadista, além das condições adversas do local, com áreas de difícil acesso e região pantanosa, há riscos de animais, como cobras de várias espécies e até mesmo onças.

Para o brigadista, é muito triste ver a área tão exuberante em períodos normais, sendo consumida pelo fogo. “Com certeza natureza vai demorar muito tempo para reconstituir. O problema é que o fogo é recorrente em determinadas áreas. Estamos vendo a natureza pedindo socorro, com a morte de plantas, de animais e até nascentes de água desaparecendo”, finalizou o brigadista.

 

 

MESSIAS DONEGA

 


Compartilhe esta notícia!