Compartilhe esta notícia!

DIEGO FERNANDES – ARAÇATUBA

Neste sábado, a cidade de Araçatuba completa 4 semanas inteiras de comércio, shoppings e centros de compras fechados. Foi um período agoniante para empresários, colaboradores e consumidores que acaba hoje. Na segunda-feira, com o avanço de fase no Plano São Paulo, Araçatuba já poderá reabrir as lojas e os shoppings.

Mesmo com os estabelecimentos não essenciais fechados, Araçatuba viu disparar o número de casos de covid-19. Foram mais de Mil casos registrados apenas nesta semana.

Para dirigentes lojistas, isso só prova que o comércio não era o culpado pelo aumento da pandemia na cidade e que o prejuízo econômico causado pode ter sido em vão.

Encerrando a série de respostas e opiniões sobre quem é o grande “vilão” do aumento de casos de covid-19 na cidade, a reportagem do jornal O LIBERAL REGIONAL ouviu dois representantes de importantes centros de compras instalados em Araçatuba.

Para eles, a culpa do aumento de casos foi da falta de cuidado da população em geral, e não das lojas, que nem sequer ficaram abertas durante este mês até o momento.

“Comércio foi fechado cedo demais”, diz administrador

Marcelo Benício

O administrador do Multi Shop, estabelecimento localizado no Calçadão de Araçatuba, Marcelo Benício, boa parte dos comerciantes tomou todos os cuidados quando pode reabrir suas lojas. Ele crê que o grande aumento de casos em julho provou que o comércio não era o grande vilão. “Não se deve ao fato de o comércio estar aberto ou ter aberto durante algum período, prova disso é que no mês de julho inteiro o comércio ficou fechado e nós tivemos o maior aumento de casos de covid no município de Araçatuba, isso prova que não é o comércio. Até porque nós comerciantes, administradores de shopping, temos uma preocupação muito grande em manter protocolo de segurança para os nossos funcionários, fornecedores, os clientes que visitam o local. Estamos desde o começo da pandemia tomando essas medidas”, afirmou.

Ele acredita que o comércio foi fechado “cedo demais”, o que ocasionou em um tempo muito maior do que o necessário de inatividade econômica. “Foi provado por A mais B que aconteceu de nós fecharmos cedo demais o comércio da nossa cidade, fechamos cedo demais, porque os números estão explodindo agora justo no mês que nós ficamos fechados, ou seja, o comércio não é o culpado do problema”, opinou.

Para Benício, as festas e encontros clandestinos são as culpados pelo aumento de casos. “O grande culpado do problema são as festas promovidas na calada da noite, sem autorização. As praças, os locais públicos de frequentação, essas situações que vão muito de conscientização das pessoas, que não entenderam a gravidade do problema”, completou.

“Empresários fizeram o impossível para respeitar protocolos”, relata lojista de shopping

Gustavo Dinamarco

De acordo com o presidente da Associação dos Lojistas do Shopping Praça Nova, Gustavo Dinamarco, os empresários estão respeitando os protocolos e não podem ser culpados pela pandemia. “Os empresários estão respeitando todos os protocolos imagináveis, possíveis e até impossíveis para cuidar dos seus funcionários, de quem está operando. Mas a população em si não está levando a sério. Só quando acontece alguma coisa na família ou próximo que a pessoa percebe”, disse.

Para Dinamarco, a própria população pode ser considerada a grande “vilã” do crescimento de casos. “Eu acho que se a gente tem que usar o adjetivo vilão, pra mim é a própria população, que não se cuida, que se aglomera, que faz churrasco. Se você passa em algumas avenidas da cidade as pessoas estão sem máscara, sempre tem um vizinho que está fazendo churrasco, sempre um salão de festa que está tendo alguma coisa. Uma boa parte não está levando a sério esse momento que estamos passando. Muitas pessoas acham que estão de férias”, completou o empresário.


Compartilhe esta notícia!