Compartilhe esta notícia!

A Polícia Rodoviária de Araçatuba prendeu, na noite de terça-feira (12), o auxiliar de serviços gerais Geovany Carlisson do Nascimento Barbosa, de 25 anos, depois de descobrir que o mesmo era foragido da Justiça de Rondônia por ter mandado matar duas pessoas em 2016 na cidade. Ele foi condenado a 14 anos de prisão por cada uma das mortes e mais um ano de detenção pela ocultação de cada um dos cadáveres em um crime marcado por crueldade. A prisão do indiciado ocorreu às margens da rodovia Elyéser Montenegro Magalhães (SP-463), em Araçatuba.

 

Segundo informações do boletim de ocorrência, os policiais rodoviários faziam patrulhamento pela rodovia quando, na altura do quilômetro 47, encontraram a moto Honda/NXR 150 Bros. O condutor ficou nervoso, o que chamou a atenção das equipes, por isso decidiram realizar a abordagem.

 

O suspeito tentou fugir em alta velocidade, saiu da rodovia e entrou na rua Brigadeiro Faria Lima, sendo abordado instantes depois. Na revista pessoal, os policiais localizaram sete pinos contendo cocaína e quatro porções de maconha. Ele informou que adquiriu os entorpecentes no bairro Aviação, pelo valor de R$ 90,00, e iria fazer o consumo.

 

DESCOBERTA

 

No momento da abordagem, o indiciado não portava nenhum documento de identificação. Ele foi levado até a Central de Flagrantes, onde os investigadores descobriram que o homem possuía um mandado de prisão em aberto por homicídio. A decisão é do Tribunal do Júri de Porto Velho, em Rondônia.

 

Em relação às drogas encontradas, o delegado plantonista não fez o flagrante e decidiu abrir inquérito para dar andamento às investigações. Já por conta do mandado de prisão, o auxiliar permaneceu preso, à disposição da Justiça. A moto em que ele estava foi apreendida administrativamente.

 

ASSASSINATOS

 

Consta no processo judicial o qual Barbosa foi condenado que ele teria sido o mandando de vários assassinatos em Rondônia por conta de uma dívida por seis quilos de cocaína.

 

De acordo com a denúncia, o réu devia o valor a Waldimir Cardoso da Silva Neto e Paulo Henrique de Souza Lima. Para não pagar a dívida, ele contratou Alison Rafael da Silva, Heberth Alves de Mesquita e um adolescente, além de fornecer as armas de fogo a eles para matá-los. O primeiro pegou 26 anos de prisão e o segundo, 30 anos.

 

Em 25 de maio de 2016, Alison marcou um encontro com as vítimas, que foram de moto. Ele as perseguiu, derrubou-as da moto e disparou em seguida. Os corpos foram colocados no porta-malas de um carro e levados ao rio Madeira.

Os criminosos amarraram pedras nos pescoços dos dois rapazes, que em seguida foram jogados no rio. Um dos corpos chegou a ser perfurado pelo adolescente para evitar a flutuação.

 

 

 

 


Compartilhe esta notícia!