Compartilhe esta notícia!

Por unanimidade, o p lenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) confirmou na manhã de ontem a inelegibilidade do atual prefeito de Guaiçara, Osvaldo Afonso Costa. Com a decisão, serão convocadas novas eleições tão logo seja publicado o acórdão do julgamento.
Durante a campanha, apesar de ter o registro de candidatura concedido pelo juiz local, a situação de Osvaldo Costa foi revertida pelo Tribunal Regional Eleitoral do estado (TRE-SP), que negou o registro com base na lei complementar nº 135/2010 (Lei da Ficha Limpa), por rejeição de contas públicas em virtude de ato doloso de improbidade administrativa, cometido durante o primeiro mandato de prefeito do recorrente.
Conforme determina a lei, ficam inelegíveis por oito anos e para qualquer cargo os que tiverem suas contas relativas ao exercício de cargos ou funções públicas rejeitadas por irregularidade insanável que configure tal ato.
O TRE-SP concluiu que houve irregularidades em convênio celebrado para o repasse de valores ao terceiro setor. As falhas, reconhecidas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), revelaram violação à lei nº 8.666/1993 (Lei de Licitações) e a contratação de pessoal sem a realização de concurso público.
A decisão do regional, que também atingiu o registro de candidatura da vice-prefeita, Flávia Ramos Bittencourt Leão Cabral, foi confirmada pelos ministros do TSE.

Voto do relator
O voto que conduziu o julgamento no TSE foi do ministro Edson Fachin, relator do caso. Ele destacou que o processo no Tribunal de Contas do Estado transitou em julgado e rejeitou as contas em razão de várias irregularidades no repasse de verbas públicas para entidade integrante do terceiro setor, reconhecendo a ocorrência da violação da Lei nº 8.666/1993, além da inobservância da obrigatoriedade de concurso público para a contratação de servidores.
Sobre ponto alegado pela defesa, de que o julgamento das contas não seria de competência do TCE, e sim do Tribunal de Contas da União (TCU), o relator destacou que “para se concluir em sentido diverso e considerar o TCU como órgão competente para a fiscalização das contas, seria necessário a incursão em novas provas acostadas nos autos”, o que não é possível com base na Súmula nº 24 do TSE.
Após a publicação do acórdão, a data da nova eleição deverá ser marcada pelo TRE de São Paulo.

DA REDAÇÃO
Guaiçara


Compartilhe esta notícia!
Mostrar mais
Carregar mais em Cidades

Veja também

Bandidos explodem caixas eletrônicos em agência bancária da região

Compartilhe esta notícia!FOTO CEDIDA: IVAN AMBRÓSIO/JORNAL INTERIOR Bandidos explodiram ca…