Cidades

No primeiro bimestre, empresas exportaram para mais de 30 países

Trinta e um países compraram produtos das empresas biriguienses no primeiro bimestre do ano. Essas informações foram divulgadas pelo Ministério da Economia na primeira semana de março e compiladas pelo Observatório de Inteligência Econômica da Sedecti (Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação) da Prefeitura Municipal de Birigui.
Segundo a Sedecti, entre janeiro e fevereiro de 2019, a balança comercial de Birigui apresentou saldo positivo de US$ 1,61 milhões de dólares. As exportações totalizaram US$ 3,57 milhões e as importações US$ 1,96 milhões.
Entre os principais países compradores, destacaram-se a Bolívia (com US$ 1.030 milhões), seguida pelos Emirados Árabes (US$ 699.832 mil) e Argélia (US$ 328.400 mil dólares). Rússia, Líbia e China aparecem na quarta, quinta e sexta posição do ranking de importadores dos produtos biriguienses.
As exportações para a Bolívia aumentaram 929% comparadas ao mesmo período do ano passado e para os Emirados Árabes o crescimento foi de 216,7%. Não houve exportação para a Argélia no primeiro bimestre do ano passado, portanto, é um novo mercado conquistado pelas empresas locais.
O prefeito de Birigui, Cristiano Salmeirão, avalia como positivo o número de países que recebem os produtos das empresas de Birigui.
É um dado do Ministério da Economia que indica a força produtiva e empreendedora local, cujos produtos alcançam mais de 30 países, levando a marca Birigui para o mundo”, comentou o chefe do Executivo.

OBSERVATÓRIO
O relatório integra o projeto Observatório de Inteligência Econômica, que vem sendo desenvolvido pela Prefeitura de Birigui, através da Sedecti.
Essa estrutura é responsável por realizar estudos e pesquisas econômicas e acompanhar a evolução dos indicadores econômicos da cidade.
O objetivo é suprir as demandas de informações e conhecimento dos agentes econômicos do município e subsidiar o desenvolvimento de políticas públicas voltadas à geração de emprego, renda e ao desenvolvimento local.

DA REDAÇÃO
BIRIGUI

Comment here