Cidades

Monitora denuncia precariedade no transporte de alunos da zona rural

O município de Castilho, sob administração da prefeita Fátima Nascimento, mantém vários serviços terceirizados e com problemas. Além de empresa irregular que durante vários meses prestou serviço de transporte de pacientes para outras cidades, agora é da área de educação. O transporte de alunos é feito por empresa contratada e até mesmo as monitoras (pessoas responsáveis pelas crianças dentro dos ônibus) são de empresa terceirizada. Ao revelar descontentamento com as condições em que as crianças eram transportadas, Cristiane de Oliveira Lins, que era monitora para o Assentamento Tremembé, foi demitida.
Segundo a monitora, ela começava a trabalhar às 11 horas para buscar as crianças no assentamento e deixá-las em várias escolas de Castilho, do ensino infantil ao ensino médio. Depois, pegava as crianças e as levava para as respectivas casas. No início de outubro, ao chegar ao pátio, percebeu que o ônibus colocado à disposição estava em péssimas condições, com bancos rasgados e goteiras. Inconformada pela situação, ela fotografou o ônibus. “Quando pego uma criança das mãos da mãe ou do pai, limpinha, que entregar de volta do mesmo jeito. É uma questão de dignidade”. disse Cristiane.
Para sua surpresa, o dono da empresa de ônibus que presta serviços à Prefeitura, teria telefonado para saber porque ela fotografou o veículo. Cristiane afirmou ele mesmo poderia ver a situação do veículo. Na conversa, por telefone, ela disse que ao participar de uma licitação da Prefeitura, ele deveria zelar pela qualidade do transporte. “Os ônibus estão com poltronas rasgadas, panos sujos, parecem um chiqueiro de porco”, disse Cristiane, frisando que havia goteira. O dono da empresa fez a ressalva que foi uma “correria”, o que poderia ser uma situação emergencial. A mulher, ao telefone, reforçou que era transporte de crianças.
O dono da empresa admitiu que o ônibus estava sujo e rasgado. “Mas quem rasga é quem está no ônibus. Não sou eu não e muito menos o motorista, que está lá para dirigir”, disse, explicando que a sujeira é decorrência do tempo seco. Chegou a atribuir responsabilidade da conservação à monitora. “A responsabilidade é sua”, acrescentou. A monitora, no telefonema, refutou, frisando que no ônibus em que é monitora, o “vermelhinho”, ela procura cuidar.

Este slideshow necessita de JavaScript.

REAÇÃO
Cristiane Lins foi contratada no dia 1º de fevereiro de 2018 por uma empresa de Valparaíso, terceirizada da Prefeitura. Em setembro, segundo ela, as monitoras tiveram o salário reduzido de R$ 700,63 para R$ 670,00. Em outubro, como o salário estava atrasado, foi à Prefeitura onde, não sabe explicar por que, uma servidora municipal fazia os pagamentos da empresa terceirizada. Ela fez a cobrança, mas foi demitida no dia 16 de outubro.
A ex-monitora estranhou a sua demissão sem motivo aparente, pois dono da empresa terceirizada, não aparecia para ver o trabalho de sua equipe.

Tribunal de Contas faz auditoria no setor de transporte

Na manhã desta terça-feira (30), equipe do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo chegou em Castilho exatamente para inspecionar o setor de transporte. A princípío, a informação na cidade era de que a autoria era resultado de denúncia feita por irregularidade no transporte. No entanto, a assessoria de comunicação do TCE informou que era autoria feita em várias cidades do estado.
“O TCE realiza, no dia de hoje, fiscalização ordenada (vistoria-surpresa) em diversos municípios do Estado para verificar as condições do transporte escolar da rede pública estadual e municipal.
Esta é a segunda ação que ocorre na área – sendo que a primeira vistoria surpresa ocorreu em novembro de 2016.
No momento não temos informações consolidadas para serem disponibilizadas ao público – pois a ação correrá o dia inteiro.
Após esta etapa, os dados serão cruzados e tabulados- As informações coletadas serão comunicadas aos Conselheiros relatores de contas nos municípios e nas pastas estaduais, para que, em eventuais casos de irregularidades/impropriedades, os gestores possam ter tempo – de ainda neste exercício – promover as devidas correções que se fizerem necessárias”, diz a nota da assessoria.
Os dados da vistoria-surpresa serão divulgados nos próximos dias.

DA REDAÇÃO
Castilho

Comment here