Roquinho atinge recorde de mandatos e Araçatuba não elege ninguém de novo

Reeleito para seu oitavo mandato na Assembleia Legislativa de São Paulo no último domingo, Roque Barbiere (PTB), de Birigui, igualou-se, em número de mandatos de deputado, ao ex-prefeito de Araçatuba Jorge Maluly Netto, falecido em 2012. A diferença é que Roquinho segue apenas como deputado estadual; Maluly fez parte de três legislaturas na assembleia e de cinco na Câmara dos Deputados, em Brasília.
Além de ter atingido recorde regional nesse tipo de disputa, pelo terceiro pleito consecutivo, ele foi o único político com base eleitoral na região de Araçatuba a se eleger deputado. Nem mesmo a trajetória de queda em suas votações impediu este feito. Neste ano, ele obteve 70.076 votos. Em 2014, foram 72.512; 2010, 84.012. Já em 2006, havia sido 96.597.
Ontem, em sua página no Facebook dedicada à campanha, ele agradeceu ao eleitorado. “Eu e minha família viemos expressar nossa gratidão a cada um de vocês pelo voto de confiança em mim depositado. O trabalho em prol do próximo continua”, disse o deputado, que, desde 1991, ocupa cadeira no legislativo paulista.
Neste ano, a coligação do PTB de Roquinho tinha ainda a vice-prefeita de Araçatuba, Edna Flor (PPS), que alcançou 18.460, porém, não sendo eleita.

SUPLÊNCIA
Pelo menos outros dois candidatos da região estiveram perto de se eleger. O vereador Cido Saraiva (MDB) foi o mais votado para deputado estadual dos nomes de Araçatuba que estavam na disputa. Ele conquistou 43.175 votos, no total. Já o ex-prefeito de Andradina Jamil Ono (Patriota) obteve 31.157 votos. Ambos ficaram como segundo suplentes de seus partidos políticos, que não fizeram coligações para a eleição de deputado estadual.
Apesar de pertencer ao PSL, partido da recordista de votos para o parlamento estadual, Janaína Paschoal (2.060.786 votos), o candidato da legenda pela região, Everton Sodário, também ficou de fora. Ele obteve a preferência de 12.609 eleitores.

FEDERAL
Já para deputado federal, o “tabu” de duas décadas da região sem eleger ocupante para essa vaga continua. O último a se eleger fora justamente Maluly Netto em 1998 e, neste ano, a vaga passou longe de todos os nomes que concorreram pela região. Dos postulantes com domicílio entre os 43 municípios que concorriam a uma vaga na Câmara federal, o ex-ministro da Previdência Carlos Gabas obteve mais votos: 45.045. No entanto, ele não conseguiu figurar entre os nomes de seu partido, o PT, que conseguiram formar a maior bancada do legislativo federal.
Apesar de não ter conquistado a vaga, o vereador Arlindo Araújo (PPS) foi o candidato a federal mais votado em sua cidade, Araçatuba. Dos 18.187 votos conquistados por ele ao todo, 14.982 foram em sua base eleitoral.
Ex-deputado estadual e ex-prefeito de Araçatuba por dois mandatos, Cido Sério (PRB) obteve 8.729 votos. Número inferior ao de outros candidatos que concorriam pela região, como o empresário rural Eduardo Novaes (Novo), 15.503 votos. E ainda: o ex-vereador andradinense Marco Pilla (PSDB), 14.070; e o presidente da Câmara de Araçatuba, Rivael Papinha (PSB), 15.503.

PENDÊNCIA
Ainda para deputado federal, pelo PSL do candidato a presidente Jair Bolsonaro, que formou a maior bancada da Câmara, concorria o ex-vereador biriguiense Elias Antônio Neto. Ele recebeu 23.826 votos. Entretanto, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) considerou “anulados” os seus votos pelo fato de sua candidatura ainda ter pendências a serem julgadas. Ontem, ao postar mensagem de agradecimento pelos votos recebidos em sua rede social, ele disse: “O que ocorreu de fato é que no meu processo de filiação, o partido acabou enviando minha documentação incompleta para registro, mas quando foi percebida a falha, comunicamos ao tribunal para correção dos prazos de rotina. Essa correção burocrática, em nenhum momento, impediu minha candidatura”. Se seus votos forem validados, ele ficará como quinto suplente do PSL na Câmara dos Deputados.

Porém, deputados com atuação ou vínculo regionais se elegem

Como consolo para o vazio de representantes da região na assembleia e na Câmara federal, candidatos com atuação ou vínculo regional foram eleitos.
Foram os casos, por exemplo, de Cauê Macris (PSDB), Reinaldo Alguz (PV), André do Prado (PR) e Itamar Borges (MDB) para deputado estadual. E ainda: Vanderlei Macris (PSDB), Enrico Misasi (PV), Guilherme Mussi (PP), Júnior Bozela (PSL), Márcio Alvino (PR), Fausto Pinato (PP) e Luiz Flávio Gomes (PSB), todos para deputado federal.
Todos eles pertencem a outras cidades do Estado, mas contaram com apoio de prefeitos e vereadores de cidades da região de Araçatuba como “retribuição” pelo apoio dado aos municípios com recursos, via emendas parlamentares, para a realização de benfeitorias nas cidades, seja com verba estadual ou federal.

Confira o total de votos recebidos por candidatos a deputado da região:

ESTADUAL

EDNA FLOR (PPSO) 18.460 votos
FELIPE LUIZ (NOVO) 4.902 votos
JAMIL ONO (PATRI) 31.157 votos
CIDO SARAIVA (MDB) 43.175 votos
ROQUE BARBIERE (PTB) 70.076 votos
DR. FILIPE FORNARI (PODE) 6.671 votos
JOAQUIM GOMA (PCdoB) 1.263 votos
DR. FRANCISCA BRITTO (PCdoB) 404 votos
EVERTON SODÁRIO (PSL) 12.609 votos

FEDERAL

CIDO SÉRIO (PRB) 8.729 votos
ARLINDO ARAÚJO (PPS) 18.187 votos
CARLOS GABAS (PT) 45.045 votos
RIVAEL PAPINHA (PSB) 11.643 votos
EDUARDO NOVAES (NOVO) 15.503 votos
LEANDRO MOREIRA (PRB) 7.484 votos
MARCO PILLA (PSDB) 14.070 votos
ROBERTO DELFINO (MDB) 4.119 votos
PEDRÃO FEDERAL (PSL) 3.751 votos
DONA VILMA PRB (PRB) 225 votos

ARNON GOMES
Araçatuba

você pode gostar também