Substituto de França em secretaria anuncia cursos técnicos a distância

ARNON  GOMES – ARAÇATUBA

A partir do próximo ano, alunos da rede estadual de ensino poderão obter também diploma de formação profissional. O Estado oferecerá cursos técnicos a distância para os estudantes que estejam, no mínimo, no segundo ano do ensino médio. A medida foi anunciada ontem, em Araçatuba, pelo secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação, Ricardo Bocalon. Ele ocupa o cargo que, até abril deste ano, tinha como titular o atual governador de São Paulo, Márcio França (PSB), candidato à reeleição.

Diferentemente dos cursos presenciais mantidos nas Etecs (Escolas Técnicas Estaduais), o acesso ao curso técnico on-line não dependerá de vestibulinho. A participação será opcional. O Centro Paula Souza, órgão ligado à secretaria comandada por Bocalon e que responde pelo ensino profissionalizante no Estado, disponibilizará cinco opções de cursos ao estudante de segundo ano, podendo ser escolhido apenas um.

O secretário explicou que cada escola estadual contará com um mediador para o curso técnico on-line. Esse profissional ficará responsável por orientar e tirar dúvidas dos estudantes. O polo do ensino a distância será, dessa forma, a própria instituição de ensino frequentada pelo aluno do ensino médio.

UNIVERSIDADE

Outra novidade é que o estudante que se formar pela plataforma digital do ensino profissionalizante da rede estadual terá acesso imediato à Univesp (Universidade Virtual do Estado de São Paulo) sem precisar passar por vestibular. O egresso do curso técnico digital poderá, na Univesp, escolher um entre cinco cursos: Engenharia de Produção, Engenharia da Computação, Pedagogia, Matematica e Gestão Pública. Segundo o secretário, também será implantado Administração e Contabilidade. De acordo com Bocalon, França espera abrir, em até um ano, 450 mil vagas na instituição de ensino superior à distância mantida pelo governo paulista. Esse número, enfatizou o secretário, corresponde à média anual de jovens que terminam o ensino médio nas escolas estaduais. 

Ex-coordenador da Univesp, o secretário disse que, em janeiro do ano passado, a universidade virtual tinha cerca de três mil alunos em sete municípios. Hoje, segundo ele, são aproximadamente 50 mil em 330 cidades paulistas. Questionado sobre qual experiência de resultado o Estado está se baseando para a implantação do ensino técnico à distância, o secretário citou como exemplo a própria Univesp. “A Univesp provou que, usando tecnologia e inovação e com parcerias com os municípios, é possível”, disse Bocalon, que, na tarde de ontem, visitou a sede da Fatec (Faculdade de Tecnologia) e a Etec acompanhado do secretário municipal de Agroindústria, Desenvolvimento Econômico e Relações do Trabalho, Marcelo Astolphi Mazzei.

Ainda ontem, Bocalon esteve nas unidades de ensino profissionalizantes mantidas pelo Centro Paula Souza em Birigui e Penápolis para conversar com diretores, professores e alunos. O objetivo, segundo ele, foi trocar experiências sobre o trabalho feito nas faculdades e escolas técnicas do Estado.

Execução de medidas pode depender de resultado da eleição

Durante a sua visita, Bocalon deixou claro que todo este pacote para o ensino profissionalizante é uma política de governo de Márcio França, que assumiu o comando do Estado com a renúncia de Geraldo Alckmin (PSDB) para concorrer à Presidência da República. Ou seja, essas mudanças poderão ou não ter continuidade com o próximo governador. Hoje, as pesquisas de intenções de votos colocam França na terceira posição – as candidaturas de Paulo Skaf (MDB) e João Doria (PSDB) vêm se alternando na primeira e segunda colocações.

Mesmo assim, Bocalon acredita nos bons resultados da iniciativa proposta. “Todo aluno do Estado que chegar ao segundo ano do ensino médio poderá escolher um curso técnico a distância na Etec. Haverá vagas para todos. Quando chegou ao terceiro colegial, receberá o diploma do normal e do técnico”, analisou. “O correto era ter uma escola dessa (como a Etec de Araçatuba) para todos. Mas isso levaria 20, 25 anos e o jovem que tem 16, 17 não pode esperar. Por isso, estamos usando a tecnologia e a inovação para levar a Etec ao alcance de todos.”

Ele acredita que, equiparando a meta de vagas a serem abertas na Univesp com a média de alunos formados por ano no Estado, o governo paulista não deixará nenhum jovem fora da escola pública por falta de oportunidade. “Com ações como essa, teremos menos alunos da Fundação Casa, menos jovens envolvidos com violência…”, disse.

você pode gostar também