Autor de assassinato de professor se entrega à Polícia Civil

A Polícia Civil de Birigui prendeu um homem suspeito de ter matado o professor Eloi Gomes da Silva, de 48 anos, com golpes de faca no último dia 31 de agosto na cidade. O suspeito foi preso temporariamente, ou seja, por 30 dias. Ele confessou todo o crime e contou em detalhes como agiu na noite do assassinato.

Segundo informações apuradas pela reportagem do jornal O LIBERAL REGIONAL, o pedreiro J.B.A.J., 34 anos, já era o principal suspeito pela morte do professor de História da rede pública do Estado de São Paulo. Os investigadores receberam algumas denúncias anônimas no último dia primeiro de setembro dando conta que o homem poderia estar envolvido no crime.

À época, o pedreiro chegou a ser intimidado a prestar depoimento na delegacia, mas negou os crimes. Ele foi ouvido e liberado. No decorrer das investigações, novas provas contra ele surgiram, que segundo a polícia, fortaleceram os indícios contra o pedreiro.

Por conta disso, a polícia entrou com pedido na Justiça para um mandado de prisão temporária, o qual foi concedido. O suspeito se apresentou na delegacia do município na manhã de segunda-feira (24) na presença de um advogado e contou em detalhes como agiu na tarde do homicídio.

DEPOIMENTO

Ainda de acordo com o que foi apurado pela reportagem, o autor disse que agiu sozinho. Ele tinha a intenção de se apoderar do aparelho celular e de um notebook da vítima para impedir que fosse relacionado à conversas suas com a vítima.

Após esfaquear o professor de deixar a faca cravada no tórax dela, o acusado fugiu e jogou os objetos em um córrego existente próximo da casa onde mora. Até então, a polícia trabalhava com a hipótese de latrocínio, justamente pelo fato de tais objetos terem sumido. Agora, a tipificação do crime mudou.

O homem vai responder por homicídio duplamente qualificado por motivo fútil e à traição. Ele foi encaminhado até a cadeia pública de Penápolis, onde deverá permanecer preso até alguma decisão da Justiça.

CRIME

O assassinato do professor chocou toda a cidade pelo tamanho da violência com o que foi cometido. No velório de Eloi Gomes da Silva, familiares, amigos, alunos e até autoridades políticas ainda custavam a acreditar no que havia acontecido. Muito querido por todos, a notícia da morte brutal de Silva foi recebida por indignação.

O crime foi por volta das 18h de 31 de agosto na residência que o professor morava, localizada no bairro São Brás. O companheiro da vítima chegou nesse horário do trabalho e encontrou o corpo do homem já sem vida no chão da sala. O rapaz, desesperado, chamou um sobrinho de Silva e logo depois uma equipe do resgate foi acionada, mas não adiantou, já que ele estava morto.
Policiais militares também foram chamados e isolaram o local para o trabalho da perícia técnica. As equipes constataram que a vítima foi atingida por pelo menos quatro golpes de faca no tórax e também marcas nas costas e na cabeça.

você pode gostar também