JOSÉ LUIZ FARES: DA ENGENHERIA ELÉTRICA PARA DEIXAR LEGADO NO SANEAMENTO

Com uma carreira de quase 10 anos no Departamento de Água e Esgoto de Araçatuba (DAEA), José Luiz Fares iniciou na Companhia em janeiro de 2009, quando assumiu o cargo de Presidente do Conselho Administrativo da Autarquia. Alguns anos depois, em novembro de 2012, com a concessão dos serviços de água e esgotamento sanitário para a iniciativa privada, o DAEA foi transformado em Agência Reguladora, na qual Fares foi nomeado comissário-geral.

Segundo ele, ao chegar ao DAEA, o grande desafio foi preparar a autarquia para poder atender às demandas do grande crescimento de Araçatuba. “Um dos primeiros passos foi sanear a empresa nos setores administrativo, financeiro e recursos humanos. Em seguida, elaboramos um diagnóstico de viabilidade técnica, em busca da melhor alternativa para garantir a qualidade dos serviços prestados em água e esgoto. Esses estudos apontaram para a possibilidade da concessão dos serviços à iniciativa privada, dado o grande montante de investimentos necessários”, explica. Fares ainda conta que, através de um Edital de Concorrência Pública foi desenvolvido o Plano Municipal de Saneamento, dando as diretrizes para a efetivação das medidas necessárias para a universalização dos serviços de água e esgoto. “É importante ressaltar que Araçatuba foi uma das primeiras cidades brasileiras a elaborar seu Plano de Saneamento (Água e Esgoto), cumprindo uma determinação da Lei Federal 11.445, de 2007. Hoje a cidade ainda faz parte de um seleto grupo de cidades brasileiras que têm seu plano de saneamento”, afirma.

Fares acompanhou as diversas mudanças acontecidas no DAEA, como, por exemplo, sua transformação em agência reguladora. Ele conta que foram mudanças necessárias para a viabilidade do setor de abastecimento. Isso porque, por serem necessários grandes investimentos, somente o setor público não teria condições de alocar recursos para as obras necessárias ao bom atendimento à população. “Na última semana, foi entregue ao Prefeito Municipal, Dilador Borges, a primeira revisão do Plano de Saneamento, que foi feito pela Secretaria Municipal de Planejamento e Habitação, com supervisão da Agência Reguladora – DAEA. É um fato muito importante porque, além de cumprir a lei de saneamento, confirma a preocupação da administração com o grande desenvolvimento porque passa a cidade, cumprindo os pré-requisitos para instalação de novas empresas”, conta. De acordo com Fares, Araçatuba é uma cidade privilegiada, se comparada com o restante do Brasil, onde 50% da população ainda não tem redes ou tratamento de esgoto. Ele ainda afirma que isso é consequência de uma visão estratégica adotada pelo município desde o final da década de 80.

Baseando-se nisso, Fares acredita que o Brasil será, em pouco tempo, uma das grandes potências mundiais, através do desenvolvimento sustentável. Ele é graduado em Engenharia Elétrica, na modalidade Eletrotécnica de alta e baixa tensão, pela Escola de Engenharia de Lins (1985); pós-graduado em Administração Estratégica, com ênfase em Marketing e Recursos Humanos, pela Associação de Ensino “Marechal Rondon”/Embrapa (1995) e também cursou “Manejo e Conservacionista de bacia hidrográfica” pelo Centro Interamericano de Dessarollo de Águas y Tierras, em convênio CESP/Caracas.

“Todos os cursos se relacionam de uma maneira geral. A formação em engenharia pode ser completada, por exemplo, com especialização em Marketing e Recursos Humanos. A engenharia também me levou a atuar na área de saneamento”, comenta Fares.

Ele começou sua carreira profissional, ainda recém-formado, em 1986, na Ansaldo do Brasil Equipamentos Eletromecânicos, uma empresa italiana de capital misto. De 1989 a 1995, trabalhou em Araçatuba, como consultor de planejamento estratégico, no Escritório Regional de Planejamento da Fundação Prefeito Faria Lima (CEPAM), do governo do Estado. Desde 1999 é sócio proprietário da Fareng Engenharia e Construção Ltda. Além da vida profissional, Fares também atua, desde a década de 80, nas entidades de classe de engenharias. Foi presidente da AEAN (Associação dos Engenheiros da Alta Noroeste), por três mandatos, entre 2001 e 2009, e vice-presidente da FAEASP (Federação das Associações de Engenheiros e Arquitetos do Estado de São Paulo) em 2008. No CREA (Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura/ São Paulo) foi diretor, de 2008 a 2010 e vice-presidente do Comitê de Bacia Hidrográfica do Baixo Tietê, de 2005 a 2009. Além disso, foi presidente da Associação dos Engenheiros Eletricistas do Estado de São Paulo (2010).

FAMÍLIA
Fares conta que se espelha muito em seus pais, Farid Fares e Eugênia Venturelli Fares, pelas lições de amor, esperança e paz. Ele é casado com Rosângela Maria Benetti Fares e tem dois filhos, Júlia Benetti Fares, de 21 anos e Bernardo Benetti Fares, de 17.

Da Redação

você pode gostar também