PROFESSORES PARTICIPAM DE PALESTRA SOBRE DEPRESSÃO, SUICÍDIO E AUTOMUTILAÇÃO

A pedido da coordenação do Centro de Referência de Assistência Social e Educacional Crase “Coração de Mãe”, professores receberam a psicóloga do Núcleo de Educação Especial (Nuesp), Ludimila Testi Agutoli, no início desta semana para palestra sobre Depressão, Suicídio e Automutilação.
Para a professora de Educação Física da Escola Municipal “Ramez Tebet” e do CRASE, Adriana Márcia Scaransi Maciel, há 30 anos na educação, formações como estas são importantes, pois “nos ajudam a ficarmos mais atentos às crianças e às suas necessidades. Se juntarmos a prática que temos mais a teoria que a professora Ludimila nos passou, conseguiremos ajudar mais nossas crianças”, disse.
Adriana relembra que “quando comecei na educação para agora, mudou muito com a mídia, a internet, e acredito que a Escola está aqui para ajudar na educação destas crianças e precisamos nos capacitar para isso”, disse.
Já para o Supervisor Pedagógico do CRASE, Jair Melchior, “a palestra da Ludimila foi maravilhosa. Precisávamos ouvir muito do que ela falou para fazermos um resgate e juntarmos a nossa vivência com a experiência e didática que ela tem, pois muitas vezes não sabemos lidar com as crianças que estão depressivas ou que passam por mutilações”, disse.
Jair ressaltou ainda que “às vezes nos questionamos se a criança está tentando chamar a atenção, e ela nos explicou que elas estão chamando nossa atenção sim com suas mutilações, por exemplo, pois infelizmente elas não se preocupam com a dor, mas querem ter o prazer de esquecer o problema que passam em casa. Um motivo que pode ser banal para mim, pode não ser para elas e precisamos olhar para o problema com a visão deles. Com as ferramentas certas e esclarecimento, o caminho será outro e conseguiremos, com a nossa missão de educadores, ajudar estes alunos com muito amor”, pontuou o supervisor.

GRATIFICAÇÃO
Segundo Ludimila “é muito gratificante ser convidada para palestrar sobre este tema, principalmente quando os professores e participantes interagem e perguntam, porque, na verdade, é isso que eles vivenciam em sala de aula. E é muito bom quando eles mostram que estão atentos a buscar novas informações para passar a seus alunos e descobrir como eles reagem e podem ajudar esses alunos”, disse a psicóloga.
Ludimila ressalta ainda que “muitas vezes o olhar diferenciado para este aluno infelizmente não vem de casa, mas da sala de aula. Muitas descobertas para os nossos alunos são aqueles que o professor detecta porque o pai muitas vezes não tem tempo para isso e vive muito menos tempo com essa criança que o próprio professor. Então é muito bom quando o professor se sente bem e satisfeito e busca informações para saber lidar com as dificuldades que o aluno passa, porque nossas crianças são muito carentes de carinho e não só de informação”, disse. “Falo muito nas palestras que devemos olhar mais com os olhos do coração, porque às vezes o único abraço apertado que ele recebe no dia não é dos pais e sim do professor”, finalizou Ludimila.

DA REDAÇÃO
Três Lagoas

você pode gostar também