POLÍCIA ENCONTRA OSSADA QUE PODE SER DE APOSENTADA QUE DESAPARECEU EM APARECIDA

Depois de seis meses, uma angústia pode ter chegado ao fim para a família da aposentada Berenice dos Santos Silva, de 85 anos, moradora em Penápolis, cidade a 54 quilômetros de Araçatuba. A idosa desapareceu no Santuário de Aparecida do Norte nos últimos dias de dezembro de 2017 e, desde aquela época, nunca mais voltou para casa.

A Polícia Civil de Aparecida encontrou no último fim de semana uma ossada que pode ser da idosa. Os restos mortais estavam às margens de um rio. Segundo o que foi apurado pela reportagem do jornal O LIBERAL REGIONAL, funcionários da basílica faziam a capina no local, quando se depararam com a situação.

Próximo à ossada, as equipes policiais localizaram uma blusa, os óculos e a dentadura de Berenice. As filhas dela viajaram para a cidade na terça-feira (26) e reconheceram os objetos. Um inquérito foi aberto para dar andamento às investigações sobre o caso e apurar as circunstâncias da morte. A ossada foi encaminhada para o IML (Instituto Médico Legal).

DESAPARECIMENTO

O pesadelo para os familiares da aposentada começou no dia 23 de dezembro de 2017. A idosa, bastante religiosa, sempre fez questão de visitar o Santuário Nacional de Aparecida todos os anos. Já era uma tradição. A última vez viajou com uma excursão na companhia da filha e de uma neta. As três passaram o dia todo visitando o local e assistindo às missas.

Na hora de ir embora, já por volta das 14h, Berenice disse à filha que queria um guarda-chuva. A mulher pediu para que a mãe ficasse sentada em um banco próximo ao ônibus em que viajaram e foi com a filha até a uma feira existente no santuário para comprar o objeto. Enquanto isso, a aposentada disse que iria ficar ali descansando.

Alguns minutos depois, a religiosa levantou-se e passou a caminhar em direção à saída da basílica. Uma vendedora de sorvetes percebeu algo de estranho e chegou a perguntar à idosa para onde ela ia. A aposentada respondeu que estava indo embora, pois o ônibus estava a aguardando. Depois disso, a mulher nunca mais foi vista.

Ao retornar até ao banco onde tinha deixado a mãe, a filha não a encontrou mais. Ela foi informada pela vendedora de sorvetes sobre o que havia acontecido e passou a procurar por várias horas, mas sem sucesso. No começo, a familiar pensou até mesmo que Berenice pudesse ter entrado em um ônibus errado. Ela retornou para Penápolis, mas no dia seguinte voltou para Aparecida, juntamente com outros integrantes da família para intensificar as buscas.

Um boletim de ocorrência de desaparecimento chegou a ser registrado e o caso era investigado pela Polícia Civil de Guaratinguetá. Uma das filhas ficou por 20 dias na cidade, percorrendo hospitais, terminais rodoviários e as imediações do Santuário, mas nunca mais teve notícias da mãe. Folhetos e cartazes foram distribuídos em diversos pontos. Nas redes sociais, uma campanha foi feita com milhares de compartilhamentos.

A partir de agora, a Polícia Civil irá aguardar o resultado de um exame de DNA, que pode ficar pronto somente nos próximos oito meses, para comprovar que a ossada encontrada realmente seja de Berenice. Amostras de sangue da família foram colhidas e encaminhadas para São Paulo, capital paulista.

você pode gostar também