PODA E CORTE DE ÁRVORES NATIVAS VIRAM CASO DE POLÍCIA

A poda e corte de árvores na Estrada do Goulart, entre o Bairro Santa Luzia e a a Fundação Casa, em Araçatuba, transformou-se em caso de polícia. Por nota, a CPFL admitiu a a poda por motivos de segurança. Porém, a reportagem apurou que árvores foram suprimidas. A Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Araçatuba revelou que vai apurar o caso e o responsável deverá reparar o dano por meio de compensação. Porém, ainda não se sabe exatamente quem cortou as árvores.

No início da semana a reportagem recebeu denúncia de que várias árvores, algumas floridas, foram suprimidas. A equipe de reportagem esteve no local e constatou tratar-se de árvores de diferentes espécies, principalmente ipê. Inicialmente a Secretaria de Merio Ambiente disse tratar-se de eucalipto, mas após apresentação das fotos, informou que o fiscal que foi ao local não havia identificado pelo tronco, mas reafirmou tratar-se de ipê. A CPFL, por nota, informou que podou aproximadamente 40 árvores que estavam sob a fiação. Contudo, no local há árvores que foram suprimidas. Cortaram o tronco.

A reportagem ouviu pessoas que trabalham nas imediações e confirmaram que o serviço foi executado por uma empresa, com trabalhadores uniformizados, mas não souberam informar o nome da empresa.

O proprietário de uma chácara em frente a um empreendimento imobiliário disse que funcionários da empresa que podou árvores entraram na área cortaram cinco pés da espécie farinha seca. Ele registrou boletim de ocorrência e a Polícia Técnica foi ao local para perícia.

“CPFL Paulista esclarece as podas de cerca de 40 árvores, na estrada do Goulart, em Araçatuba, foram realizadas para livramento emergencial evitando riscos de danos à rede elétrica e que, potencialmente, poderiam vir a comprometer a segurança da população e o fornecimento de energia elétrica, conforme Decreto Federal nº 24.643/1934. Critérios técnicos foram seguidos para se evitar agressões desnecessárias às árvores. Engenheiros, técnicos e eletricistas da CPFL e de empresas terceirizadas recebem informações teóricas e práticas para executar a poda da maneira mais correta possível. Os trabalhos são monitorados pelos especialistas em meio ambiente da empresa.

Em casos especiais, a CPFL Paulista pode participar, juntamente com órgãos públicos, da execução de trabalhos de supressão de espécies que estejam oferecendo risco iminente de choque elétrico à população, pelo fato de árvores de porte inadequado tenham sido plantadas irregularmente debaixo das linhas de transmissão de energia elétrica de alta tensão. Trabalhos como este, são colocados em prática somente com a autorização dos órgãos ambientais competentes.

É importante salientar que até 40% do tempo em que o cliente da CPFL fica sem energia corresponde a interrupções emergenciais provocadas por fatores ligados a arborização, para minimizar este impacto a concessionária tem investido continuamente em tecnologia de redes compactas, que embora sejam menos susceptíveis a interferência da arborização, ainda assim demandam a condução de poda de arvores de forma contínua”, diz nota da CPFL.

Agência Brasil

você pode gostar também