Novo presidente da Petrobras diz que troca de comando não afeta negociações da UFN 3

Durante reunião com o novo presidente da Petrobras, Ivan Monteiro, nesta terça-feira (12) na presidência do Senado, em Brasília, ficou garantido ao prefeito de Três Lagoas, Angelo Guerreiro, juntamente com a senadora Simone Tebet, o senador Waldemir Moka e o deputado Eduardo Rocha que a mudança na presidência da Petrobras não irá interferir no processo de venda da Unidade de Fertilizantes Nitrogenados (UFN3).

O novo presidente da Petrobras enfatizou “que não haverá alteração no processo de venda da fábrica e que as regras do jogo permanecem”.

Simone explicou que, apesar da mudança no comando da empresa, com a saída de Pedro Parente, nada muda no processo de venda da fábrica de fertilizantes. “Queremos levar tranquilidade à população de Três Lagoas de que as obras serão retomadas e haverá geração de emprego e renda para a região”, disse.

Angelo Guerreiro, por sua vez, enfatizou a importância da notícia, pois “esse é um processo que vem se arrastando há muito tempo e a não continuidade dele afetaria principalmente a população local, pois o empreendimento pode voltar a gerar renda e emprego”, comentou.

O senador Waldemir Moka ressaltou a importância para o agronegócio a existência de uma fábrica de fertilizantes no Centro-Oeste. Ivan Monteiro, tranquilizando os parlamentares da Bancada Federal de Mato Grosso do Sul e o prefeito de Três Lagoas, informou que, “acompanhava o processo enquanto estava na diretoria financeira da Estatal”, diz, ressaltando ainda o profissionalismo da Acron. “A empresa russa produz e comercializa fertilizantes em mais de 60 países”, finalizou.

A Acron já negociou os incentivos fiscais como governo do Estado de Mato Grosso do Sul e está fechando um protocolo de intenções com a Bolívia a respeito das garantias do fornecimento de gás. Em maio, a Petrobras anunciou negociações com a empresa russa para desinvestimentos no setor de fertilizantes.

A Acron tem exclusividade no processo de venda, por um período de 90 dias.

Da Redação

você pode gostar também