ALMANAQUE: Munir Djabak: 44 anos realizando o sonho de voar

Conquistar os céus sempre foi o sonho do homem. Ícaro simboliza este sonho, materializado pelo brasileiro Santos Dumond. Porém, milhões de pessoas sonham com a aviação. Muitos conseguem realizar o sonho; outros, não. Com Munir Djabak não foi diferente. Ainda muito pequeno, deixava a sua casa, na Rua Rangel Pestana, à margem dos trilhos da NOB, em Araçatuba, para ver os pousos e decolagens dos aviões DC-3 da Cruzeiro do Sul e Real, que operavam no aeroporto existente no Bairro Santana. Falar em avião na sua casa era motivo bronca. Primeiro pelo medo (não inspirava segurança) e segundo, por falta de dinheiro. O menino cresceu e em 1974, já como próspero comerciante, aos 32 anos, tirou brevê (licença para voar. Hoje, aos 75 anos de idade e com mais de 7 mil horas de voos e dezenas de alunos “brevetados”, o comandante Munir mantém a rotina de gestão do Aeroclube de Birigui. E continua sonhando alto.

Munir Djabak nasceu em Araçatuba no dia 28 de julho de 1942. Com o falecimento precoce do pai, teve necessidade de ajudar no orçamento familiar. Foi assim que em 1949, quando tinha apenas 7 anos, sua tia Ema (irmã de sua mãe), o levou para a loja de armarinhos de Mamede Jundi. Ele ganhou o emprego, Ema e Mamede se conheceram, namoraram e se casaram.

Mesmo muito jovem, aos 17 anos, mas com experiência no comércio, o seu cunhado Kalil Nakad o levou para gerenciar uma loja de armarinhos em Birigui. Foi lá que conheceu a sua esposa Resemary Anhê. Pouco tempo depois, a família da namorada mudou-se para São Bernardo do Campo. Na década de 1960, ele também foi embora para trabalhar em uma Prefeitura. No dia 10 de dezembro de 1967, ele casou-se com a professora Rosemary Anhê Djabak.

Embora estivessem bem em São Bernardo do Campo, o casal decidiu retornar a Birigui no início da década de 1970. Munir Residiu também em Pereira Barreto, onde tinha loja de tecido e armarinhos. Seu irmão, Alli Djabak, o Aluxe, instalou lojas na região
Quando estava em Pereira Barreto, Munir voltou a sonhar com a aviação. Foi assim que juntou um grupo de amigos e começou a fazer aulas teóricas com o professor Akira Yamaguchi, em Araçatuba. Depois, fez o curso no Aeroclube de Votuporanga. Recebeu o brevê em 1974.

Ao retornar a Birigui, decidiu atuar em ações sociais e foi assim que também chegou ao aeroclube, que estava quase desativado. Desde 1975, é sócio do Aeroclube de Birigui, onde foi diretor comercial de 1978 a 1981. Assumiu a presidência do clube no período de 1982 a 1987, para onde retornou em 1992 e permanece até os dias atuais.

Além de piloto comercial, conquistou ainda habilitação para voo com instrumentos, licença de aviação multimotor, piloto de planador e lançador de paraquedistas, checador e instrutor de voo. Foram dezenas de alunos que passaram por suas mãos, como os irmãos Jean e Jarrie Silva (Color Maq), o juiz de direito João Batagello e muitos outros.
Munir Djabak cita que jamais levou um susto durante voo. “A segurança do voo depende de boas manutenções da aeronave e oficinas de confiança e planejamento de voo, como condições meteorológicas”, diz Munir.

O veterano piloto diz que deixou seus negócios para dedicar-se ao Aeroclube de Birigui. Um dois maiores desafios foi exatamente tirar o aeroclube da área urbana. “A cidade cresceu ao aeroclube”, lembra ele, enfrentou o desafio de construir um novo aeroclube, hoje na Rodovia Roberto Rollemeberg. A antiga área foi negociada e surgiram empreendimentos imobiliários no local. “Mas ainda temos terreno no local”, diz Munir, que continua trabalhando e agora quer ampliar o aeroclube.

ESQUADRILHA DA FUMAÇA
No sábado, Munir organizou a apresentação da Esquadrilha da Fumaça. “Todas as vezes que o trouxemos foi um sucesso de público. Mas desta vez surpreendeu a todos”, disse Munir, estimando público em 30 mil pessoas. A apresentação foi para comemorar os 77 anos do Aeroclube de Birigui.

FAMÍLIA
Do casamento com a professora Rosemary Anhê Djabak, nasceram três filhos: Marcelo (advogado e empresário), Maurício (piloto e instrutor de voo) e Menser (empresário). Os três filhos pilotam. Munir Djabak abre o sorriso quando fala de suas alegrias: os netos Munir, filho de Menser e Mariana, filha de Marcelo.

Antônio Crispim

você pode gostar também