Araçatuba aparece entre cidades com maior diferença de preços entre medicamentos 

VITOR MORETTI – ARAÇATUBA

Araçatuba aparece no ranking da Fundação Procon como uma das maiores cidades do interior de São Paulo com a maior diferença de preços entre medicamentos genéricos e os de referência. A pesquisa foi feita pelo Procon da cidade entre os dias 10 e 11 de maio. A cidade de Marília foi a campeã. Por lá, a variação dos preços dos genéricos chegou a 960%.

Sete drogarias foram visitadas por funcionários do órgão. Foram pesquisados 58 itens, sendo 29 medicamentos genéricos e 29 de referência. De acordo com o diretor do Procon de Araçatuba, Carlos  Eduardo Spegiorin, a pesquisa levou em conta os preços praticados à vista, sem programas de fidelização pelo cadastro do consumidor e até mesmo aqueles descontos obtidos por meio do Programa Farmácia Popular.

Dos estabelecimentos verificados, uma drogaria localizada na rua Luiz Pereira Barreto, no Centro, foi a que mais apresentou preços menores. Dos 58 produtos analisados, 35 estavam com preços mais baixos em relação aos outros estabelecimentos. 

Já entre os medicamentos de referência, a maior diferença de preços encontrada foi de mais de 150%. O medicamento Claritin, de dez miligramas e 12 comprimidos, usado para o tratamento de alergias e rinites, foi encontrado por R$ 50,19 em uma drogaria. Em outro estabelecimento, o mesmo produto era vendido por R$ 20,00, uma diferença de mais de R$ 30. O maior valor da caixa do antibiótico Amoxilina, de 500 miligramas e contendo 21 cápsulas, foi encontrado por R$ 69,92, enquanto o mais baixo era cotado a R$ 40,83.

GENÉRICOS

Muita gente acaba fazendo a opção de tomar os medicamentos genéricos, até mesmo pelo valor mais em conta no bolso do consumidor. Segundo Spegiorin, o consumidor deve pesquisar bastante. “É sempre importante a pessoa consultar o médico para ver a possibilidade de fazer o uso dos genéricos, pois existe uma diferença muito grande nos preços e isso faz toda a diferença no bolso. Então, realmente vale a pena pesquisar”, ressalta.

Não é à toa que a pesquisa feita pelo Procon encontrou a maior diferença nesse tipo de produto, com 350,50% no medicamento anti-inflamatório Nimesulida, de 100 miligramas e 12 comprimidos. Enquanto ele era vendido em uma drogaria por R$ 13,47 em outra estava a R$ 2,99, uma diferença de mais de dez reais.  Já o menor valor encontrado do genérico do antibiótico Amoxilina era de R$ 12,99.

“Na comparação entre preços de medicamentos de referência e genéricos, observa-se que a diferença é grande. Por serem produzidos por diversos laboratórios, os medicamentos genéricos são, em geral, mais baratos. Mas é bom lembrar que um genérico de um mesmo laboratório também pode apresentar preços diferentes entre as drogarias/farmácias. Logo, é essencial a pesquisa de preços sempre aliada à recomendação e prescrição médica”, orienta o Procon. 

CONSUMIDOR ATENTO

Para o Procon, diversos fatores são responsáveis pelas políticas de preços das drogarias. “ A aplicação de descontos pode variar de acordo com as condições locais de mercado, rentabilidade da loja, condições comerciais de compra. Em algumas drogarias de rede, há políticas comerciais diferentes para cada canal de venda. Outras são regidas pelo sistema de franquia, não havendo uma política única de preços entre os franqueados”, informou.

Por isso, a dica é sempre pesquisar antes de comprar. O Procon orienta ainda os consumidores a consultarem a lista de Preços Máximos (PMC) dos medicamentos, disponível no site da Anvisa, pelo endereço: www.anvisa.gov.br.

“Munido dessa informação o consumidor deve comparar os preços dos medicamentos entre os diversos estabelecimentos, como também os da própria rede, já que podem variar significativamente”.

você pode gostar também