Apae conquista R$ 300 mil da União para melhoria em piscina

ARNON GOMES – ARAÇATUBA

A Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) de Aracatuba conseguiu R$ 300 mil do governo federal para a realização de melhorias em sua estrutura. Com o recurso, será possível fazer uma série de adequações para a realização de atividades em piscina com pessoas portadoras de deficiência. O dinheiro é resultante de emenda (recurso indicado por um parlamentar no orçamento público) feita pela deputado federal Marcio Alvim (PR-SP).

Em reunião com representantes da entidade, secretários municipais, o vereador Gilberto Mantovani Batata (PR) e a vice-prefeita Edna Flor (PPS), o prefeito Dilador Borges (PSDB) anunciou ontem a obtenção da verba pelo Ministério da Saúde. Para o montante chegar ao cofre da associação, é preciso, agora, a formalização de um convênio entre a entidade e o município, o que deve acontecer nos próximos dias, segundo apurou a reportagem de O LIBERAL REGIONAL. Caberá à administração municipal liberar a receita para a entidade assistencial.

De acordo com a diretora geral da instituição, Rosimeire Pagan Fernandes, o repasse será aplicado na reforma da piscina e dos vestiários desse setor. O objetivo é garantir o aquecimento da água e a cobertura do espaço para a realização de atividades de hidroginástica e hidroterapia aos assistidos.

PROJETO

Essas ações fazem parte do Projeto Água Viva, que tem como objetivo geral ampliar o número de recursos terapêuticos oferecidos no processo de reabilitação, melhorando as perspectivas de recuperação das pessoas com deficiência física, intelectual e/ou múltipla. Nesse contexto, a hidroterapia é vista como uma atividade capaz de promover o ganho de funções físicas e motoras em quadros neurológicos.

Outro foco do investimento é garantir a acessibilidade e a funcionalidade para atendimento das pessoas com deficiência que frequentam a instituição. Para isso, além da cobertura e do aquecimento da água, serão feitas a substituição do piso, construção de rampas para cadeirantes e colocadas estruturas para guinho e barras de apoio.

“A água é um meio excelente para a realização de exercícios e oferece oportunidades estimulantes para os movimentos que não estão dentro dos programas tradicionais de exercícios em solo”, diz texto de justificativa do projeto. “A terapia em agua é um recurso que tem sido cada vez mais utilizado na área da medicina, como um recurso a mais para se obter uma recuperação mais eficaz dos pacientes”, complementa.

‘SONHO’

De acordo com Rosimeire, a obtenção desse recurso era um antigo “sonho”.

Explica ela: “Araçatuba, até por sua localização, tem temperaturas altíssimas no verão, o que inviabiliza o uso do espaço da piscina, que se encontra sem cobertura. Isso faz com que, no inverno e em dias chuvosos, os trabalhos de recuperação da pessoa com dfeficiência na água fiquem comprometidos”.

Hoje, segundo a diretora, a Apae de Araçatuba realiza 1.050 atendimentos mensais, entre pacientes, usuários e alunos.

você pode gostar também