PM faz operação de guerra para salvar bebê

Na noite de terça-feira (29), a Polícia Militar fez uma operação de guerra para socorrer um bebê de um ano que foi intoxicado

por toxina de uma taturana. Só existia antídoto em Presidente Venceslau. Os policiais atuaram contra o tempo, mas no final deu tudo certo e o bebê está recuperado.

O bebê, que é de Guararapes, estava com os seus pais em Araçatuba e acabou manipulando uma lagarta, conhecida como “taturana”. Esse tipo de larva, revestida de uma felpa, quando atacada, libera toxinas capazes de levar a uma pessoa à morte.

Imediatamente os pais socorreram o bebê ao Pronto Socorro de Araçatuba, mas em seguida foi transferido para a Santa Casa. Porém, os pais foram informados que o município não tinha o soro “antídoto” em estoque.

De imediato, fizeram contato com Milenne Ura Dias, diretora Técnica de Saúde do Grupo de Vigilância Epidemiológica do município que, rapídamente fez contato com o CVE – Centro de Vigilância Epidemiológica de São Paulo/SP. Esse Centro informou que o local mais próximo para encontrar o soro era em Presidente Venceslau, a 240 quilômetros de Araçatuba. Essa viagem de ida e volta duraria aproximadamente seis horas, o que poderia comprometer a vida do bebê.

“Num gesto humanitário a Sra. Milenne, fez contato com a Polícia Militar de Araçatuba, que de pronto mobilizou policiais

militares de Araçatuba, Presidente Venceslau e Dracena, fazendo com que o soro

estivesse a disposição do bebê em menos de três horas”, diz nota divulgada pela PM.

Os pais do bebê, que já está na residência, expressaram gratidão à Polícia Militar e à Milenne Ura Dias, pela rapidez nas decisões e socorro.

Da Redação

você pode gostar também