Queimadas e atendimentos na UPA mobilizam vereadores

Os transtornos causados por queimadas e lixos em locais inadequados, como no bairro Vila Piloto, foi um dos principais assuntos, citado pelos vereadores, durante a sessão ordinária desta semana da Câmara Municipal de Três Lagoas. A priorização do serviço de limpeza no bairro Vila Piloto foi solicitada, por meio de indicação, pelo vereador Luiz Akira.

Na defesa do pedido, ele citou que muitos moradores, por falta de um serviço adequado, ateiam fogo em folhas, lixos, comprometendo a saúde de crianças e idosos, devido a fumaça intensa e constante, no bairro.

O parlamentar chegou a divulgar um número, disponibilizado pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente, para denúncias de incêndios: 3929 -1249.

O vereador sargento Rodrigues também falou da situação crítica, no mesmo bairro. “As galhadas e entulhos, na região do bairro Vila Piloto, uma “fumaceira”, que vem causando transtorno para os moradores e prejudicando a saúde de todos”.

O vereador chamou atenção também para a existência de um “lixão”, na região de acesso ao Jupiá.

Além de indicações, os vereadores também informaram que estão em constante conversa com o secretário municipal, que cuida da questão ambiental, Celso Yamaguti, para saber as medidas que vem sendo tomadas para resolver os constantes incêndios, em diversas regiões da cidade, inclusive, no período noturno.

O líder do prefeito na Câmara, vereador Realino disse que a administração municipal vem fazendo o que é possível fazer, no que se refere a questão, mas também alguns moradores contribuem para tal situação.

Realino sugeriu que uma maneira de se resolver a questão seria uma PPP (Parceria Público Privado), que permitiria uma gestão adequada, destinação correta do lixo.
“Nós precisamos cobrar um pouquinho mais do cidadão. Tem coisa, que é responsabilidade, única, exclusiva, do Poder Público, outras não”, ressaltou Tonhão ao citar o excesso de queimadas e muitas situações de risco, no município.
Saúde

Pela segunda sessão seguida, as vereadoras Marisa Rocha e Sirlene dos Santos Pereira, que integram a Comissão de Saúde, da Câmara, alertaram sobre as falhas nos atendimentos, principalmente, na UPA (Unidade de Pronto Atendimento).

Marisa, que é presidente da Comissão, esteve como usuária, na unidade de saúde e afirmou na tribuna que esperou meia hora, sem que nenhum atendimento ocorresse. Ela chegou a questionar um dos médicos plantonistas – que informou que o preenchimento de formulários toma tempo e gera o atraso – e também chamou a secretária municipal de saúde, para mostrar a situação.

“Vocês podem ir lá, vereadores, passa uma hora, duas horas, sem chamar ninguém. Tem posto que atender melhor que ali na UPA”, ressaltou Marisa.

Neste sentido, a vereadora pediu que a administração municipal pense numa maneira de agilizar tal preenchimento – contrate alguém pra isso – e que tem muitas coisas que é preciso sentar e achar uma solução.

O vereador Marcus Bazé fez um requerimento para a Secretaria de Saúde Pública, para saber os motivos de estar ocorrendo grande demora no atendimento infantil na Unidade de Pronto Atendimento – UPA, haja vista que uma criança deu entrada, no dia 26 de abril de 2018 (quinta-feira), às 14h e foi atendida apenas às 21h, sendo que havia três médicos plantonistas e não havia pediatra no local.

“Não estou fazendo caça as bruxas e se houve uma falha, não sei, mas é preciso apurar”, frisou o vereador.

Membro da Comissão de saúde, a vereadora Sirlene dos Santos Pereira frisou que muitas reclamações estão chegando a Câmara e que a união de força das autoridades municipais, para se definir estratégias e encontrar soluções, para o atendimento em saúde, deve ser pensada, pois as coisas não podem acontecer da forma como estão acontecendo.

Da Redação

você pode gostar também