Confronto entre bandidos e PM acaba com quatro mortos

Uma troca de tiros entre a Força Tática, da Polícia Militar de Três Lagoas, Mato Grosso do Sul, e bandidos terminou com quatro mortos na manhã de quinta-feira (12) nas imediações da Penitenciária Masculina da cidade. O grupo estaria tentando entrar com drogas na unidade prisional.

 

De acordo com o que foi apurado pela reportagem, os policiais militares receberam uma denúncia anônima dando conta que a quadrilha tentaria entrar com entorpecente nas dependências da penitenciária. As equipes flagraram o momento em que o bando tentava arremessar entorpecente para o interior da unidade. Foi nesse momento, segundo a polícia, que os suspeitos reagiram à presença das viaturas e uma intensa troca de tiros começou.

 

Quatro criminosos foram baleados. Eles chegaram a ser socorridos com vida até ao Hospital Auxiliadora, mas não resistiram aos ferimentos e morreram pouco tempo depois. Em um primeiro momento, a identificação dos envolvidos foi bastante difícil, já que eles não portavam nenhum tipo de documento pessoal. Ao longo do dia , familiares dos rapazes compareceram ao IMOL (Instituto de Medicina e Odontologia Legal) para fazer o reconhecimento.

 

Dois irmãos, identificados como Matheus Batista Rodrigues, de 17 anos e Maicon Douglas Batista Rodrigues, 20 anos, conhecidos como “Larin”, foram identificados pelo padrasto como dois dos quatro mortos no confronto.  O terceiro corpo, identificado como Marlon Farias, também de 17 anos, era primo das outras duas vítimas já identificadas. A quarta pessoa continuava sem identificação até o fechamento desta edição.

 

POSICIONAMENTO

 

O major Ênio, da Polícia Militar, disse que a equipe da Força Tática foi atacada primeiro e, por isso, teve que revidar as agressões. Destacou também que nenhum policial ficou ferido durante a ação. Quatro revólveres, sendo três de calibre 38 e um de calibre 32, além de cinco quilos de maconha foram apreendidos. A polícia também suspeita que o bando tentaria jogar armas para o interior da penitenciária.  Um inquérito foi aberto pela Polícia Civil para investigar o confronto.

você pode gostar também