Operação localiza 170 adolescentes em boate de Birigui

A Polícia Militar e o Conselho Tutela de Birigui, com ciência do Ministério Público, realizaram na noite de sábado (07) uma megaoperação dentro de uma boate localizada na rua José Paciti, no Centro da cidade. Duas pessoas foram presas, um menor apreendido e outros 170 adolescentes encaminhados para a delegacia do município.

De acordo com informações apuradas pela reportagem do jornal O LIBERAL REGIONAL, a operação foi desencadeada depois que a Polícia Militar, o Conselho Tutelar e o Ministério Público receberam diversas denúncias sobre ocorrências no local. Antes dela ser deflagrada, a polícia, em patrulhamento e abordagens de rotina, constatou realmente a existência de irregularidades no lado externo da boate, como carros estacionados produtos de furto ou roubo, pessoas andando armadas e até o tráfico de drogas.

Diante dessas evidências, o setor de inteligência da PM, em conjunto com os demais órgãos públicos, elaboraram a operação, que foi deflagrada no último fim de semana. Cerca de 28 policias militares e um conselheiro tutelar participaram dos trabalhos. As equipes entraram no estabelecimento e deram ordem para que todos os que ali estavam colocassem aos mãos sobre a cabeça. Foi nesse momento que um homem, identificado pelas iniciais D.A.R., abaixou a mão direita, tirou um revólver de calibre 32 da cintura e o jogou no chão.

O suspeito recebeu voz de prisão em flagrante por porte de arma de fogo. Ainda durante a operação, os policiais encontraram um adolescente com outra arma de fogo, dessa vez ele carregava uma garrucha. Além disso, um procurado da Justiça foi localizado e recapturado. No chão da boate, os PMs encontraram 18 porções de maconha, além de 69 pinos de cocaína.

CONDUÇÃO

Todos os envolvidos foram encaminhados à delegacia de Birigui. O suspeito que estava com o revólver e o procurado pela Justiça permaneceram presos à disposição da Justiça. Já o menor, que também estava armado, seria apresentado à Vara da Infância e Juventude. Outros 170 menores foram qualificados e conduzidos até a delegacia em um micro-ônibus da polícia. Eles foram ouvidos e liberados na presença dos responsáveis.

A polícia informou ainda que a boate possui alvará de funcionamento, porém não possuía o documento que permitia a entrada de crianças e adolescentes. De acordo com informações do comandante dos trabalhos, o capitão Kyiuti, da Polícia Militar, disse à reportagem que o resultado foi surpreendente. “Nós pudemos comprovar, com todos os objetos ilícitos apreendidos no local, que os menores faziam o uso de entorpecentes e até de bebidas alcóolicas, comprovando todas as denúncias recebidas pela Polícia Militar, Ministério Público e Conselho Tutelar. Tal fato possibilitará a punição do proprietário ou até mesmo o fechamento do estabelecimento comercial”, complementou.

A reportagem tentou entrar em contato com o responsável pela boate, mas até o fechamento desta edição não havia conseguido nenhum retorno. A partir de agora, as investigações vão continuar na esfera criminal.

você pode gostar também