Saúde prepara-se para Campanha Nacional de Vacinação Contra Influenza

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Três Lagoas, por meio da equipe do Setor de Imunização, coordenado pela enfermeira Humberta Azambuja, prepara-se para a Campanha Nacional de Vacinação Contra a Influenza. A Campanha do Ministério da Saúde, segundo consta em ofício enviado a todas as Secretarias Estaduais de Saúde, será no período de 23 de abril a 1º de junho e o chamado “Dia D” de mobilização nacional foi marcado para o segundo sábado de maio, ou seja, para o dia 12, véspera do Dia das Mães.

A enfermeira Humberta assegurou que, no período da Campanha, a vacina contra a Gripe Influenza estará disponível em todas as unidades de Atenção Básica de Saúde, ou seja, nas unidades de Estratégia de Saúde da Família (ESF) e nas unidades de Estratégia de Agentes Comunitários de Saúde (EACS).

“Em tempo oportuno, estaremos divulgando mais detalhes de como será realizada esta importante campanha de vacinação”, completou Humberta.

O adiamento de uma semana da data inicialmente prevista para esta campanha de vacinação, como explicou no referido ofício o secretário nacional de Vigilância em Saúde (SVS), Adeilson Cordeiro Cavalcante, se deve “em virtude do atraso da entrega do imunobiológico pelo Instituto Butantan”, de São Paulo, responsável pela produção da vacina para todo o Brasil.

Apesar dessa pequena alteração da data, esta Campanha de Vacinação será realizada no período ideal, ou seja, antes do presumido “pico de transmissão do vírus influenza no Brasil, que ocorre no mês de julho”, observou Adeilson Cavalcante.

O “Influenza” é um vírus de circulação sazonal e, em 2018, a vacina disponibilizada pelo Sistema Único de Saúde (SUS) será trivalente. Isso significa que a vacina deverá imunizar as pessoas contra três tipos do micro-organismo: o H3N2, o H1N1 e o B.

O público alvo da Campanha Nacional de Vacinação Contra a Inluenza, como explicou a enfermeira Humberta, são as pessoas acima de 60 anos de idade, crianças de cinco meses a cinco anos, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), trabalhadores da área da Saúde; professores das escolas públicas e particulares, povos indígenas, portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, população carcerária, adolescentes em cumprimento de medidas socioeducativas e funcionários do Sistema Prisional.

Da Redação

você pode gostar também