Polícia Federal mira quadrilha especializada em roubos e furtos dos Correios da região

Depois de dois anos de investigações, a Polícia Federal de Jales, cidade a 112 quilômetros de Araçatuba, desencadeou na manhã de terça-feira (03) a “Operação Reembolso”, que investiga um grupo criminoso que atuava no interior do estado de São Paulo em roubos e furtos em agências dos Correios, supermercados, lotéricas, postos de gasolina, além de outras empresas que possuíam cofres para guardar valores. Um dos líderes da quadrilha foi preso na casa onde mora em Araçatuba. Outros mandados também foram cumpridos na cidade vizinha, Birigui.

Mais de cem policiais federais cumpriram dois mandados de prisão preventiva, válidos por tempo indeterminado, 11 mandados de prisão temporária, válidos por 30 dias, e 20 mandados de busca e apreensão nas cidades de Urânia, Aparecida d’Oeste, Araçatuba e Birigui. Até o fechamento desta edição, nove suspeitos tinham sido presos e quatro continuavam foragidos. Uma servidora dos Correios de Urânia, suspeita de repassar informações privilegiadas ao grupo, também foi presa temporariamente. A mulher é avisava o bando sobre os valores em dinheiro depositados no cofre do estabelecimento. Além disso, um homem, apontado como um dos líderes do grupo, foi preso na casa onde mora em Araçatuba. Todos os envolvidos foram encaminhados à sede da Polícia Federal de Jales, onde prestaram depoimento.

INVESTIGAÇÕES

As investigações começaram a partir de um roubo ocorrido na agência dos Correios de Urânia em janeiro de 2016. Na ocasião, dois homens armados renderam os funcionários e roubaram toda a quantia que estava depositada no cofre da agência postal. A partir deste roubo, de competência federal, a PF iniciou as investigações e identificou núcleos de criminosos nas cidades de Araçatuba e Birigui, que mantinham contatos com comparsas da região de Jales. No decorrer das investigações, outras ações criminosas do grupo foram identificadas nas cidades de Nipoã, Aparecida d’Oeste, Urânia, Araçatuba e Birigui.

A polícia identificou crimes contra os Correios, mas postos de gasolina, lotéricas e supermercados também foram alvos dos criminosos. Somente a agência dos Correios de Urânia foi alvo do grupo em pelo menos três ocasiões desde o início das investigações. Na última tentativa de ação dos criminosos, em outubro de 2017, eles foram surpreendidos por equipes da PF e da Polícia Militar. Houve resistência e troca de tiros, que terminou com a morte de um bandido e a prisão de outros três criminosos. Outros três indivíduos foram identificados posteriormente e foram presos ontem.

O CASO

Após um monitoramento do serviço de inteligência da PF, por meio de escutas telefônicas, os bandidos foram surpreendidos por policiais que já estavam à espera da quadrilha que havia organizado o crime. Duas viaturas depararam-se com dois veículos suspeitos, um Fiat/Uno, com placas de Birigui, e uma GM/Montana, com placas de Araçatuba, na vicinal José Francisco Pereira, que dá acesso à rodovia Euclides da Cunha (SP-320), e deram ordem de parada. Os veículos tentaram fugir das viaturas, mas um deles foi abordado logo em seguida. Dois homens e uma mulher foram presos em flagrante.

Já a picape, que foi acompanhada por policiais da Força Tática de Fernandópolis, não obedeceu o sinal de parada. O condutor e o passageiro começaram a atirar contra as equipes policiais e houve troca de tiros. O chefe da quadrilha, identificado como Natanael Tobias da Costa, morador em Araçatuba, foi morto com um tiro no pescoço durante a ação. Ele era foragido do regime semiaberto da penitenciária de Valparaíso e apontado como participante de vários crimes na região de Araçatuba.

PRISÕES

Na operação deflagrada na terça-feira (03), os mandados judiciais foram expedidos pela Justiça Federal de Jales e Justiça Estadual de Palmeira d’Oeste. Os presos poderão responder pelos crimes de furto e roubo qualificado, associação criminosa armada, tentativa de homicídio, dentre outros. Os detidos, juntamente com todo o material apreendido nas buscas foram encaminhados para a sede da Polícia Federal em Jales. A reportagem do jornal O LIBERAL apurou que pelo menos quatro veículos foram localizados, incluindo a GM/Montana com marcas de tiros, na ação em Urânia no ano passado. Os detidos foram ouvidos pelo delegado Cristiano Pádua da Silva e depois acabaram transferidos para a cadeia pública de Santa Fé do Sul, onde permanecerão à disposição da Justiça.

POSICIONAMENTO

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa dos Correios sobre a operação deflagrada pela Polícia Federal a respeito da colaboração nos meses de investigações e sobre os furtos e roubos ocorridos nas agências no interior do estado. Por meio de nota, a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos informou que a operação contou com o apoio da área de segurança dos Correio, mas para manter a integridade dos empregados e clientes, não detalha informações sobre o assunto.

“Para coibir delitos, os Correios vêm adotando diversas ações preventivas em parceria com a Polícia Federal e com órgãos municipais e estaduais. Há, inclusive, um acordo de cooperação com a PF, que, por meio de análise de inteligência, consegue mapear quadrilhas, seu modo de atuação e, por consequência, realizar ações e apreensões de criminosos que praticam crimes contra os Correios”, complementou a nota.

você pode gostar também