Região de Araçatuba é destaque em presença feminina na política

Oitenta e seis anos após a conquista das mulheres do direito ao voto no Brasil, a região de Araçatuba aparece em posição de vanguarda no que diz respeito à participação feminina na política. A constatação está no Ranking de Presença Feminina no Poder Executivo 2018, que será lançado na próxima quarta-feira em São Paulo e foi obtido com exclusividade pela reportagem de O LIBERAL REGIONAL na semana passada.

O levantamento aponta o território, que tem 43 municípios, com a maior presença de mulheres no comando de prefeituras em todo o Estado de São Paulo. A liderança entre todas as regiões administrativa paulistas é garantida com uma representatividade de 20,9%, fruto da vitória de nove prefeitas na eleição municipal de 2016. O percentual é praticamente o dobro da média estadual, que está 10,8%. Em todo o Estado, 68 municípios são governados por mulheres. De acordo com a pesquisa, a média de eleitas a cada cem mil habitantes na região é de 1,33, número quatro vezes maior do que o registrado na média nacional (0,32) e cinco vezes superior à estadual (0,2).

O estudo traz números também sobre a participação de candidatas da região no último pleito. Das 43 cidades, 28 tiveram candidatas (65% delas) aos executivos municipais. Ainda nessa fatia do Noroeste Paulista, o índice de desempenho das mulheres concorrentes que consegue se eleger foi 58% superior à média nacional.

Apesar da estatística positiva, ainda há o que evoluir. Enquanto representam 268 mil eleitores (47% do total), as candidaturas femininas ao Executivo na região equivalem a apenas 17% do total de candidatos. Em 2016, 111 homens saíram candidatos a prefeito, enquanto 19 mulheres disputaram o mesmo posto na região de Araçatuba.

O TRABALHO

O Ranking de Presença Feminina no Poder Executivo 2018 foi elaborado pelo PMI (Projeto Mulheres Inspiradoras) e foi feito com base em dados da ONU (Organização das Nações Unidas), CIA, Banco Mundial e TSE (Tribunal Superior Eleitoral). O estudo avalia a participação da mulher em 186 países de 1940 até os dias atuais e detalha informações de regiões do Brasil e de todos os 5.570 municípios do País. Já no Estado foram analisadas as 16 regiões administrativas.

A porta-voz do PMI é a empresária Marlene Campos Machado, mulher do deputado estadual Campos Machado (PTB ). O PMI é um órgão sem fins lucrativos, que tem feito debates, seminários e pesquisas sobre questões que envolvem a mulher na sociedade atual, como o papel empreendedor e seu papel na política.

Em entrevista concedida ao O LIBERAL, Marlene avaliou positivamente o resultado regional, mas ponderou que ainda há mais espaço a ser alcançado pelas mulheres. “O resultado específico da região de Araçatuba é muito importante, pois marca posição, uma vez que está acima das médias estadual e nacional. Mas temos muito o que caminhar, pois elas representam 52% da população. Precisamos, então, ampliar essa participação”, avalia a coordenadora. Ela ressalta que, no Poder Legislativo, alcançar índice tão satisfatório como o obtido pela região é mais difícil, pois, em média, 90% das mulheres que saem candidatas não se elegem. “Percebemos, na verdade, que muitas mulheres entram nas disputas eleitorais para cargos parlamentares por causa das cotas que os partidos têm de preencher”, finaliza Marlene.

A5 marlene.jpg

 

Tamiko vê ‘empoderamento’ das candidatas na região

Pela primeira vez no exercício de um mandato eletivo, a prefeita de Andradina, Tamiko Inoue (PCdoB), vê um “empoderamento” das mulheres que se lançam a disputas eleitorais.

“Devido a mudanças que estão ocorrendo no mundo todo, especialmente por causa das redes sociais, as mulheres estão ficando cada vez mais empoderadas”, diz ela. “Isso faz com que se quebrem as barreiras do preconceito, da discriminação…”, complementa ela, lembrando que, na atualidade, diversas profissões, até então predominantemente masculinas, estão tendo espaços ocupados pelas mulheres. Ela destaca que, apesar de a maior parte de seu secretariado ser do sexo masculino, consegue ter o respeito necessário.

Vice-prefeita de Araçatuba, mas há quase duas décadas em atividade na política, Edna Flor (PPS) analisa que o resultado da pesquisa do PMI revela um encorajamento das mulheres. “Fico muito feliz com esse resultado. Só não fico mais feliz porque, no Legislativo, o resultado não vem na mesma proporção”, avalia. Para Edna, a participação feminina no Executivo é muito construtiva. “Digo isso principalmente pelo lado humano com o qual a administração pública é tratada”, afirma a vice-prefeita de Araçatuba, cidade que, ao longo de sua história, já foi governada por mulheres em dois períodos distintos: Germínia Venturolli, de 1989 a 1992 e entre 1997 e 2000; e Marilene Magri Marques, de setembro a dezembro de 2008.

a5 Edna Flor

Da Redação

você pode gostar também