Palestra no Sinted de aborda “Saúde Mental da Mulher Vítima de Violência”

A Secretaria Municipal de Assistência Social (Smas) de Três Lagoas, por meio do Departamento de Proteção Social Especial e da equipe do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), com a colaboração da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), promoveu palestra sobre “Violência Doméstica e Saúde Mental”, na manhã desta quinta-feira (15).

Esta ação era prevista e constava na programação de ações da SMAS para este mês de março, que tem como principal foco a “Violência Zero no Mês das Mulheres”.

A palestra também contou com o apoio e parceria do Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinted), onde foi realizado o evento, que teve como público alvo, na sua maioria, professoras aposentadas.

A presidente do Sinted, professora Maria Laura Castro dos Santos, desejou as boas vindas e agradeceu a parceria com a SMAS e a SMS, “que nos possibilitou a realização deste evento, com a exposição de um tema de extrema importância”, disse.

Coube ao psicólogo Igor Paes, do Centro de Atenção Psicossocial – Caps II, Unidade de Saúde da SMS, abordar a temática da “Saúde Mental da Mulher Vítima de Violência”.

CONSEQUÊNCIAS INCALCULÁVEIS
Segundo o psicólogo, “as mulheres vítimas de violência sofrem consequências incalculáveis e nefastas, que acabam refletindo no relacionamento da mulher com sua família”, disse.
Muitas das mulheres, vítimas de violência, “acabam interrompendo importantes projetos de vida e de realização pessoal”, comentou Igor em sua palestra.

Quando vítimas de violência, “elas não conseguem sequer concluir o ensino fundamental”, alertou.

Como expôs o psicólogo do Caps – II, “o fenômeno da violência contra a mulher, além de perverso, é muito complexo pelos danos e transtornos psicossociais que causa, não só à mulher, mas à família e à sociedade”, ressaltou.

Entre os principais transtornos estão: a baixa autoestima, altos níveis de estresse e nervosismo, irritações constantes, desânimo e isolamento, entre outros.

“Esses transtornos, infelizmente, levam a mulher para o caminho das drogas, da bebida e até de tentativas de suicídio”, alertou o psicólogo do Caps – II.

Da Redação

você pode gostar também