Deomerce Damasceno: muito além de primeira-dama

A genuína função de primeira-dama não resume Deomerce Damasceno. Às portas de completar 60 anos, ela considera que está ficando mais madura e se desdobra para ser mãe, avó, administradora dos negócios da família e presidente do Conselho do Fundo Municipal de Solidariedade.

Deomerce nasceu em Olímpia, em 26 de maio de 1958. Sua mãe era diretora de escola e ficou viúva muito jovem, tendo de criar os quatro filhos sozinha. “Nossa vida teve muitas dificuldades, mas minha mãe sempre foi uma fortaleza e educou nós quatro. Todos temos duas faculdades e esse é um grande mérito dela. Me espelho muito na minha mãe”, contou.

Inspirada pela mãe, Deomerce formou sua família junto com Dilador Borges e também sempre se dedicou à sua carreira profissional. O casamento dos dois aconteceu em 1º de julho de 1978, mesma data em que ela prestou um concurso para entrar no extinto banco Banespa, onde trabalhou 24 anos.

“Nosso casamento foi às 21h, mas às 8h da manhã eu prestei o concurso que me fez entrar no Banespa. Nessa época eu passei em cinco concursos, estava muito preparada, e escolhi entrar no Banespa porque oferecia um bom plano de saúde na época”, lembrou.

Após trabalhar 24 anos no Banespa como bancária, Deomerce passou a administrar os negócios da família, o que continua fazendo ainda hoje. “Eu faço toda a parte de contabilidade de nossas fazendas, todos os pagamentos, orçamentos e concilio tudo isso com o cuidado com meus filhos, meus netos e as atividades do Fundo Social”, explicou.

FUNDO SOCIAL DE SOLIDARIEDADE
Deomerce é presidente do Conselho do Fundo Social de Solidariedade de Araçatuba. Junto com Assunta Curti, que é a presidente do fundo, ela coordena voluntariamente as ações de assistência social na cidade e não recebe salário.

O contato com as necessidades tão extremas de muitas famílias que procuram o fundo mudou a visão de Deomerce. “Você começa a realmente dar valor àquilo que você tem. Você se depara com uma realidade que não é a sua, isso fez com que minha maneira de pensar mudasse muito”.

Apesar de atender todas as famílias que procuram o fundo dentro das possibilidades, a presidente da entidade é contrária ao assistencialismo puro e simples. “Não concordo com o modelo de assistencialismo praticado na gestão anterior. Não podemos simplesmente dar o que as pessoas precisam em determinado momento, precisamos ajudá-las a não precisarem novamente”.

Para isso, projetos como a Padaria Artesanal, Escola da Moda e Escola da Beleza foram implantados por meio do trabalho de Deomerce para gerar capacitação profissional e renda para as famílias carentes.

PRIMEIRA-DAMA, MÃE E AVÓ
Para a primeira-dama, o título não a enobrece nem a diferencia de outras mulheres batalhadoras da cidade. “Quando me chamam de primeira-dama brinco que não gosto do nome, dá a sensação de alguém que está distante, inalcançável. Eu gosto do povão, quero estar perto de todos, adoro isso”, disse Deomerce.

Além de estar ao lado de Dilador na administração da cidade, ela se dedica aos três filhos e netos. “Tenho três netos, mas infelizmente não moram em Araçatuba. Sou muito coruja, tenho muitas características das mamas italianas. As vezes até me cobro por proteger tanto”.

Ao falar sobre os netinhos, os olhos de Deomerce ficam marejados. “Não vejo a hora de chegar a páscoa, quando teremos a casa cheia e vamos estar todos juntos. Sinto muita saudade deles, chega a doer”.

ARAÇATUBA
A realidade e dificuldades de Araçatuba são claras aos olhos de Deomerce, mas mesmo assim ela é otimista em relação ao crescimento e desenvolvimento da cidade.
“Quando o Dilador ganhou, muitas pessoas nos diziam que seria muito difícil, e na época eu não conseguia enxergar. Realmente foi muito difícil e ainda é, mas eu consigo enxergar que as coisas vão melhorar, eu vislumbro isso”, afirmou esperançosa.

Karen Mendes

você pode gostar também