Laboratórios suspendem fabricação de medicamento para gestantes e Saúde procura alternativas

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Três Lagoas, por meio do Departamento de Medicamentos e Laboratório, informa à população que, desde o ano passado, vem procurando alternativas para a solução da falta do medicamento prescrito às gestantes.
Trata-se do medicamento Clexane (enoxaparina sódica), da lista dos não pactuados, prescrito às gestantes com riscos de trombofilia (distúrbios de coagulação), mas que vem se tornando raro no mercado farmacêutico.

Apesar das dificuldades, a SMS de Três Lagoas vinha adquirindo normalmente esse medicamento até meados de 2017, comprando o remédio “via auto-custo”, que é a compra de medicamentos especiais, mediante prescrição médica, como explicou a diretora do Departamento de Medicamentos e Laboratório, farmacêutica Andrea da Silva Nakamura.

“Em 2017 realizamos duas licitações para compra desse medicamento e as duas foram desertas, ou seja, ninguém se interessou”, informou Andrea.

Mesmo assim, em atenção às gestantes com problemas de trombofilia, a SMS chegou a adquirir esse medicamento na rede particular de farmácias de Três Lagoas, “mas o estoque chegou ao fim, porque os laboratórios interromperam a fabricação desse medicamento”, observou.

LABORATÓRIOS
“Entramos em contado com os laboratórios Eurofarma, Sanofi, Mylan Brasil e Medcomerce Distribuidora. Eles nos informaram que o medicamento em questão foi descontinuado desde junho de 2017”, explicou a diretora de Saúde.

O Laboratório Sanofi protocolou um comunicado na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informando também da descontinuação da fabricação desse medicamento.

Por sua vez, o Laboratório Eurofarma esclareceu que, “ainda está em fase de produção, devido o medicamento em questão se tratar de um medicamento biológico do qual deverá seguir os requisitos mínimos previstos”, comentou Andrea.

Ela informou também que, enquanto não for solucionada a falta desse medicamento específico, vem sugerindo aos médicos da Rede Pública de Saúde que “verifiquem a possibilidade de substituição por algum dos medicamentos disponibilizados pelo SUS para essa finalidade”.

Da Redação

você pode gostar também