Iniciada troca dos bloquetes na rua Ramalho Franco

Na segunda-feira (05) foram iniciadas as obras para a troca da pavimentação da rua Ramalho Franco, no trecho entre a linha férrea e a Marginal Maria Chica. Assim como ocorreu recentemente na avenida Luís Osório, o pavimento em bloquetes será substituído por concreto betuminoso usinado a quente (CBUQ). Para esta obra, são utilizados recursos de convênio com a Secretaria da Casa Civil do Governo do Estado de São Paulo. As referidas obras fazem parte do mesmo convênio da avenida Luiz Osório, cujo valor total é de R$ 307 mil. Ao todo somam-se 7,6 mil metros quadrados de recuperação e recapeamento asfáltico.

Etapas
O primeiro passo adotado foi a retirada dos blocos, assentados em uma camada de areia, com a utilização de uma máquina Poclain. Esse trabalho de retirada do bloquetes, que estava previsto para terminar no final da tarde de ontem, foi feito com a parceria da Secretaria Municipal de Obras.

“A remoção do piso antigo está sendo feita pela Secretaria de Obras objetivando a economia de recursos. Através desta ação foi possível reduzir a contrapartida da Prefeitura no convênio”, explicou Dirceu.

Ainda hoje (06), na sequência, deve ser preparado o solo para a implantação de uma base em brita, além uma espécie de selagem do pavimento, para inibir qualquer desgaste em caso de chuva. Só então, o local será enfim pavimentado, no mais tardar quarta-feira (07).

Previsão
“A expectativa é de que ainda nesta terça-feira seja possível concluir o serviço e liberar o tráfego. Entretanto trabalhamos com a expectativa de que no mais tardar quarta-feira tudo esteja finalizado”, explicou o secretário municipal de Obras. A retirada dos bloquetes era um pedido antigo da população, pois o pavimento apresenta muitas irregularidades, prejudicando o trânsito.

Ainda segundo Dirceu, os bloquetes retirados, tanto da avenida Luis Osório quanto da Ramalho Franco, serão armazenados em local apropriado para serem utilizados em outras melhorias. Este material pode ser utilizado na construção de calçadas em espaços públicos, como praças e hortas comunitárias.

Da Redação

você pode gostar também