Persiste a falta de medicamentos em Castilho

A população de Castilho continua enfrentando problemas com a falta de medicamentos, conforme já foi noticiado pelo Sistema Regional de Comunicação. Na semana em que vai começar o carnaval, no qual a prefeita Fátima Nascimento investiu elevada soma em dinheiro, a população vai à farmácia do setor de saúde e não encontra determinados medicamentos. Muitos destes medicamentos são de uso contínuo. Sem o fornecimento, as pessoas têm que comprar, muitas vezes até mesmo com dinheiro emprestado.

O Sistema Regional de Comunicação teve acesso a uma lista de medicamentos que estavam em falta, como Paroxetina (depressão), Clopidogrel (prevenção de eventos aterotrombóticos e tromboembólicos, como infarto e derrame), Levotiroxina (hipotiroidismo), Memantina (tratamento de Alzheimer), Clonazepan (anbsiolítico) e zolpidem (insônia aguda). Desta lista, foi apurado nesta semana que chegaram o Clonazepan e a Levotiroxina.

A reportagem apurou junto ao setor que os medicamentos foram comprados e devem chegar nos próximos dias. Porém, pessoas que estavam no local semostraram descrentes. “Não é a primeira vez que falam isso para a gente, mas o remédio nunca chega”, disse uma paciente, que precisa de remédio aterotrombótico, mas que preferiu ficar no anonimato temendo represálias.

Da Redação

você pode gostar também