Três Lagoas recebe kits de teste rápido de dengue, chikungunya e zika

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Três Lagoas recebeu recentemente do Ministério da Saúde, por meio da Secretaria Estadual de Saúde (SES), seis kits de teste rápido para dengue, chikungunya e zika.

Esse material, com 25 testes em cada kit, foi entregue ao Setor de Vigilância Epidemiológica do Departamento de Vigilância em Saúde e Saneamento da SMS, coordenado pela enfermeira Adriana Spazzapan, e deverá ser entregue “para o devido uso e urgentes necessidades”, aos dois hospitais de Três Lagoas, Hospital Auxiliadora e Hospital Regional Cassems.

“Além dos dois hospitais, estaremos selecionando ainda quatro das unidades da rede pública de Saúde, para entrega dos kits, observando alguns critérios técnicos da necessidade de uso desses kits”, informou Adriana.

A coordenadora de Saúde explicou que os testes rápidos de triagem, “têm como objetivo investigar a condição imunológica (contato recente ou passado com o vírus) das pessoas que buscam os serviços de saúde”.

Esses testes deverão ser realizados “no momento da consulta médica, desde que o paciente atenda à definição de caso suspeito”, ressaltou Adriana.

Como informou a enfermeira, para a SMS de Três Lagoas, entre os demais critérios para a realização do teste rápido, será observado o critério de se fazer a coleta de sangue e o teste rápido, a partir do 10º dia do início da manifestação dos sintomas da dengue.

Para os casos suspeitos de febre de chikungunya, a orientação é a de que o teste rápido e coleta de material para exame normal sejam realizados, preferencialmente, a partir do 7º dia.

Finalmente, para os casos de suspeita de doença aguda, contraída pelo vírus zika, é recomendado que o teste rápido, assim como a coleta normal de sangue, seja realizado entre o 6º e o 30º dia da data de início dos sintomas.

“Esses critérios citados, juntamente com a avaliação médica de cada caso, são importantes e deverão ser observados para não corrermos o risco de obter falsos resultados”, orientou a coordenadora de Vigilância Epidemiológica.

Da Redação

você pode gostar também