Secretário da Saúde tranquila população de Andradina sobre febre amarela

O jornalista Salvador Placco Netto, de Andradina, do Sistema Regional de Comunicação, entrevistou o secretário de Saúde de Andradina, Marcelo Gimenez, sobre a febre amarela. O secretário tranquilizou a população.

MP3jPLAYLISTS.MI_0 = [ { name: "00213", formats: ["mp3"], mp3: "aHR0cHM6Ly9scjEuY29tLmJyL3dwLWNvbnRlbnQvdXBsb2Fkcy8yMDE4LzAxLzAwMjEzLm1wMw==", counterpart:"", artist: "", image: "false", imgurl: "" } ];

SRC -Febre amarela ameaça todo o estado de São Paulo e o Governo, inclusive, antecipou o uso de vacina fracionada contra a doença aqui no estado. Secretário municipal de Saúde Marcelo Gimenez, neste contexto, como é que está a cidade de Andradina?

Marcelo Gimenez -“Andradina está muito bem neste contexto. Na verdade, o estado de São Paulo sempre foi região prioritária para a prevenção da febre amarela. É uma região que tem muitas matas. Estamos cercados e fazendo limites com outros que estados que também tem áreas rurais, principalmente com matas preservadas, e também são extensos – como Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais. Então sempre foi um estado que preocupou o Ministério da Saúde no assunto febre amarela.

SRC – Há casos registrados em Andradina e na região?

MG – Na nossa região, falando especificamente de Andradina, nós não temos nenhum caso registrado nos últimos anos. Nem em animais e nem em pessoas. Justamente porque a cobertura vacinal sempre foi intensa. Mesmo nos outros anos, sem casos confirmados dentro do estado de São Paulo, a orientação era sempre manter a cobertura vacinal intensa. Andradina sempre fez isso. Nos últimos, de 2014 até agora, já vacinamos 14 mil pessoas na nossa cidade. É uma cobertura bastante alta.

SRC – Houve mudança no esquema vacinal?

MG – Lembrando que a vacina da febre amarela era orientada a ser aplicada a cada dez anos. Mudou se o entendimento e agora é uma dose única na vida. Então nós, que fazemos parte de uma população mais antiga – pessoas com mais de 40 anos -, com certeza estamos imunizados. Numa outra época nós tínhamos que tomar a cada dez anos. Agora a orientação é dose única. Então estamos bem tranquilos nesta questão. Não há motivo para alarme, para preocupação. O que estamos alertando é que as pessoas peguem a carteira de vacinação delas e olhem. Se tiver escrito que ela já foi vacinada contra a febre amarela, não tem o porquê procurar as unidades de saúde. Caso ela tenha dúvida, ou tenha perdido a carteira, procure a unidade as unidades, pois lá temos funcionários para orienta-los a respeito.

SRC – Quem precisa ser vacinado?

MG – As pessoas que foram vacinadas nos últimos dez anos não há necessidade de se preocuparem. Mas e aqueles que não tomaram a vacina nestes últimos dez anos existe a vacina disponível? “Existe a vacina disponível. Não há problema de abastecimento. Nós temos as doses necessárias para atender a população de Andradina. Mas mesmo quem tenha tomado a vacina há 20 ou 15 anos, não tem necessidade de repetir a vacinação. Como eu falei, a política de antigamente do governo era de aplicar a vacina a cada dez anos. Depois viu-se que uma dose única na vida era suficiente para a vacinação. Então quem já tomou a vacina em qualquer época da vida, não precisa retomar. A vacina é aplicada em pessoas com mais de 9 meses. Então o bebê que tenha mais de 9 meses de vida, já pode ser vacinado. Alguns casos como os de gestantes, pessoas portadoras de Aids ou que façam tratamento com radioterapia, quimioterapia, idosos, devem procurar a unidade para realizaram uma análise individual. Mas somente esses casos – pessoas que têm alguma doença crônica, são gestantes ou idosas – que as pessoas recebem um cuidado especial na forma de ministrar a vacina. Nos outros casos as qualquer pessoas pode tomar a vacinação. Não há nenhuma contraindicação.

SRC- A unidade de saúde tem condições de saber se a pessoa foi ou não vacinada anteriormente?

MG – É feito uma pesquisa, um levantamento, um diálogo com a pessoa. Na dúvida, aplica-se a vacina. Mas lá os profissionais sabem conduzir bem isso. O importante de não vacinar quem já foi vacinado é porque está se aplicando uma vacina de forma desnecessária. E talvez alguém que não tenha sido vacinado possa ficar sem. É importante que nós tenhamos consciência nesta questão de tomar a vacina. Se você já tomou uma dose, tomar uma segunda não vai modificar o quadro.

SRC – Não há qualquer contraindicação? “

MG – Não, não há. É importante também falar dos sintomas, né? Porque estamos aqui com um histórico de nenhum registro da doença nos últimos anos. Nós estamos bem tranquilos neste sentido. Mas nós podemos receber em nossa casa pessoas que venham de outras regiões do Brasil. O sintoma inicial é muito parecido com o da dengue. É febre, dor no corpo, dor de cabeça. Então, a pessoa, ao sentir esses sintomas, em uma época como essa, não faça automedicação. Procure uma unidade de saúde. Nos mês de dezembro nós fizemos uma capacitação dos profissionais da nossa rede de saúde para identificarem a febre amarela. Todos os enfermeiros e médicos passaram por essa capacitação. Nós estaremos agora uma segunda fase dessa capacitação, verificando os profissionais que, por um motivo ou outro, não tenham feito em dezembro e agora retornarão em janeiro para serem capacitados. As unidades de saúde têm condições receber os pacientes ou pessoas que estejam com alguma queixa e analisar se aquilo é febre amarela ou algum tipo de doença.

SRC – Há possibilidade dessa vacina ser encontrada em clinicas particulares também?

MG- Sim. Eu creio que as clínicas particulares que trabalham com vacinação também tenham. Então, assim, não há necessidade. A rede pública está bem servida das doses. Aqui no nosso caso ela nem está sendo fracionada. Ela está sendo aplicada a dose completa. Não há problema de falta da vacinação no munícipio. Das nossas unidades de saúde, a única que não estão aplicado é a do Santa Cecília. Então, os moradores ali do Santa Cecília, Quinta dos Castanheiras, pode procurar qualquer outra unidade, não precisa ser o Benfica ou Vila Mineira. Ele escolhe a que estiver mais próximo, até mesmo do local de trabalho. Caso seja necessário a aplicação, pode ser em qualquer uma dessas. A sala de vacinação do Santa Cecília ainda está aguardando a chegada de um refrigerador, que foi adquirido para se colocar as vacinas. Então lá ainda não está funcionando. Mas as demais podem atender a população.

SRC – De qualquer forma, qualquer informação que a população precise ou possa ter, pode procurar qualquer uma das unidades, inclusive a do Santa Cecília?

MG -Sim, qualquer informação para esclarecimento, analise da carteira de vacinação, pode procurar qualquer uma delas, inclusive a do Santa Cecília. Chegando lá, se for necessário a aplicação da vacinação, a enfermeira vai direciona-lo a outra unidade para que seja feita a aplicação.

SRC – Bem, com relação à febre amarela, Andradina está tranquila. Não existe nenhum caso nós últimos anos e não há, segundo o que disse, de rico de que tenha, a não ser que venha alguém de fora e traga esse vírus, que assim pode infectar um andradinense.?

MG -A doença é transmitida pelo mosquito. Não se transmite entre as pessoas e nem entre os animais. O pessoal tem imagem do macaco e a febre amarela. Não é o macaco que transmite a febre amarela. Ele [macaco] é um hospedeiro e um mosquito pica ele, e aí o mosquito leva para outra pessoa ou macaco, aí há o contágio. O macaco não transmite a febre amarela diretamente a ninguém.”

Salvador Placco Neto – Andradina

você pode gostar também