Modelo surdo abre instituto para empoderar crianças surdas através da língua de sinais

Sabia que existem mais de 650 milhões de pessoas com alguma deficiência no mundo? Querendo deixá-lo mais inclusivo, especialmente para as crianças, o modelo e ativista Nyle DiMarco fundou um instituto que empodera crianças surdas através da língua de sinais. Deficiente auditivo desde quando nasceu, ele cresceu numa família surda e acredita que essa característica não deve impedir os sonhos de ninguém.

Nyle é modelo e também ator – ele já participou das séries “Switched at Birth” e “Difficult People”. Nyle foi o primeiro candidato surdo a ganhar “American Next Top Model” e o segundo em “Dancing with the Stars”.

Estar num ambiente onde a maioria divide a mesma língua certamente o ajudou. Mais de 25 membros de sua família são surdos, incluindo o irmão gêmeo, Nico DiMarco, que é DJ. Porém, esse não é o caso da maioria das crianças com surdez, já que apenas 10% delas possuem pais com a mesma característica. Ou seja, 90% são parte de famílias ouvintes, o que traz desafios cotidianos, e apenas 25% dos pais sabem a língua de sinais.

Nyle DiMarco

Geralmente, o filho ou filha passa a ser, em grande parte dos casos, a primeira pessoa surda que eles conhecem na vida. “Ao descobrir isso, eles se desapontam e não sabem que os surdos também podem ter sucesso”, disse ele. Para complicar ainda mais esse cenário, apenas 2% dessa parcela têm acesso à educação com língua de sinais atualmente.  Nos primeiros cinco anos de vida, as crianças deveriam ter um período fértil de aprendizado e conhecimento, o que não acontece quando são surdas.

Então veio a ideia de reverter esse quadro e empoderar parte das 70 milhões de pessoas surdas ao redor do planeta, a começar por ensinar a língua de sinais para meninos e meninas, que representam o futuro. DiMarco fundou uma instituição com seu nome, que combate a chamada “privação de linguagem”, um problema sério ainda hoje, responsável por afetar a memória, a alfabetização, as habilidades matemáticas, entre outras.

Entre as lutas do ativista está a de garantir, por meio da legislação, que as crianças surdas do Estados Unidos tenham acesso a língua de sinais antes de chegar aos 5 anos de idade. O modelo também usa sua imagem e redes sociais para debater assuntos como a inclusão de pessoas surdas no cinema, e inspirar as próximas gerações, mostrando que tudo é possível. Já podemos eleger esse deuso como o novo “homão da p*rra”?

Veja algumas fotos do Instagram do modelo:

Fotos: reprodução/Nyle DiMarco Foundation e Taylor Miller / BuzzFeed

você pode gostar também