Na reta final da Série A, técnico Daniel Paulista consegue encontrar ‘time ideal’ do Sport

Sem desfalques, o técnico Daniel Paulista poderá utilizar a mesma escalação pela quarta vez consecutiva no Sport. Antes dessa sequência, o Rubro-negro não havia repetido uma equipe sequer desde o início do Brasileirão. Ney Franco mal teve tempo para isso. Adepto de “rodízios” entre peças, Vanderlei Luxemburgo também não conseguiu fixar 11 titulares. Só na reta final do campeonato, com o Leão imerso na luta contra o rebaixamento, o atual comandante, enfim, encontrou um “time ideal”.

No próximo domingo, na Ilha do Retiro, o Sport dará tiro final pela sobrevivência na Série A. Diante do campeão Corinthians, deve usar a mesma formação das três partidas anteriores, das quais venceu as duas últimas – contra Bahia e Fluminense. Mas desde o jogo contra o Palmeiras, quando perdeu de 5 a 1, no Allianz Parque, Daniel vem apostando no entrosamento.

A partir daquela partida, o técnico consolidou uma zaga titular após revezamento entre os jogadores da posição proposto por Luxemburgo. Henriquez e Durval são agora os donos da posição. Ronaldo Alves, por sua vez, virou opção. A alternância de peças no lado esquerdo também teve fim. Paulista cimentou a “dobradinha” entre Sander e Mena. Com Luxa, a dupla ora atuava junta, ora não. À época, até o volante Patrick foi testado nesse lado do campo.

Contudo, a mudança mais brusca feita pelo técnico foi no meio-campo. Antes titular absoluto no clube, Rithely foi relegado à reserva.  Já Marquinhos ganhou uma vaga. Se com Luxemburgo o atacante chegou a treinar separadamente em meio à negociação que a diretoria abriu para levá-lo à Chapecoense, hoje ele é titular no ataque. A titularidade do Sport também agora é privilégio de Raul Prata na lateral-direita, depois de incansáveis testes entre ele e Samuel Xavier durante o campeonato.

É inegável que Luxemburgo conviveu com mais lesões de atletas (a exemplo da que tirou Everton Felipe de combate), suspensões e convocações constantes de Diego Souza à seleção brasileira e de Mena à chilena. Mas ele nunca fez questão de repetir uma escalação. Julgava que o seu time teria que se adequar ao adversário. Há oito jogos à frente do Sport, com Daniel Paulista tem sido diferente.

Antes de tratar como virtude a escalação que encontrou há três jogos, Daniel, porém, destaca o trabalho coletivo feito pelos jogadores, independentemente de quem atue. “Há um crescimento de todos os atletas, não só dos líderes, mas também de outros jogadores menos badalados, tão importantes quanto. Citar nomes é até leviano da minha parte, mas todos têm a sua contribuição.”

Os titulares de Daniel Paulista: Magrão; Raul Prata, Henríquez, Durval e Sander; Anselmo, Patrick, Marquinhos, Mena e Diego Souza; André.

Da Redação

você pode gostar também