Autoridades assinam documento para viabilizar ações de combate às drogas

Uma carta de intenção, para implantação de um projeto de combate a entorpecentes, seguindo os moldes de ações implantadas na cidade de Costa Rica foi assinada pelo presidente da Câmara, André Bittecourt, pelo vice-prefeito, Paulo Salomão, pelo comandante do 2º BPM, tenente coronel Magno e palestrantes, durante a audiência pública sobre o Desafio das drogas nas famílias, realizada no Plenário da Câmara Municipal de Três Lagoas.

Por meio do documento pede-se ao Poder Executivo que: 1) seja deliberada a criação da Comissão Civil Antidrogas; 2) seja dado apoio à implantação do projeto; 3) seja dado incentivo a demais eventos para a conscientização da sociedade três-lagoense.

A audiência foi proposta pelo presidente da Câmara, André Bittencourt e contou a participação dos vereadores Davis Martinelli, Izabel Cristina, Luciano Dutra e Jorge Aparecido Queiroz; do deputado estadual Eduardo Rocha; do promotor de justiça, Sergio Harfouche (palestrante); do delegado de Costa Rica, Cleverson Alves (palestrante), além de representantes da área de segurança pública, como policiais militares, delegados, e também, conselheiros tutelares, estudantes e profissionais da área da educação.

Ao usar a tribuna, o presidente da Câmara, André Bittencourt, falou que a proposta da audiência, surgiu após uma conversa com o deputado Eduardo Rocha e fez questão de destacar que trata-se de um problema crônico, bem como, que só quem sabe o que é ter um familiar dependente, entende a importância da recuperação, algo possível. Fórum de debates permanentes é o objetivo dele pós – audiência pública, já adiantou Bittencourt. “E, por que não chegar ao potencial de Costa Rica? Basta querer”, finalizou Bittencourt.

O pastor Marcelo Pena, responsável pelo projeto de recuperação, da igreja Peniel fez uma apresentação, em forma de rap, para abordar o assunto. Ele ainda deu um testemunho do efeito das drogas, na vida dele e, ao final, fez uma apresentação com os filhos e integrantes da igreja, também dentro da mesma temática.

Palestras
O destaque na audiência foram às palestras do promotor de justiça, Sergio Harfouche e do delegado de Costa Rica, Cleverson Alves.

O promotor de justiça trabalha há mais de 20 anos com a questão e fez uma abordagem citando legislações como: a lei antidrogas; ECA (Estatuto da Criança e Adolescente); crimes e penas.

Ao finalizar, ele deu como sugestão para vencer o desafio das drogas: que as famílias resgatem o papel da educação, de criar seus filhos, que as famílias vão para dentro das escolas. E, desta forma, haverá uma diminuição nas demandas de conciliações do Judiciário.

Harfouche ainda citou exemplos de uma lei municipal, de Campo Grande, que visa implantar atividades com fins educativos, nas unidades de ensino e ainda deu alguns detalhes do ProCEVE (Programa de Conciliação para Prevenir a Evasão e a Violência Escolar).

O delegado Cleverson Alves fez questão de ressaltar que o combate às drogas baseia-se num tripé: prevenção, repressão e recuperação.

Ele é delegado há 26 anos, sendo oito anos, no Mato Grosso do Sul. Atuando no município de Costa Rica, Cleverson falou da realidade das drogas naquela cidade e da participação em eventos, para prevenção e combate as drogas.

Ao falar do tema, ele disse que em todos esses anos como policial viu a degradação sociedade, por conta das drogas, algo que foi potencializado com a chegada do crack.
Na mesma linha de raciocínio, ele afirmou que não viu ações do estado, no combate as drogas, bem como, que os militantes nesta área têm sido sempre os mesmos e ainda citou as atuações do promotor Harfouche e o deputado estadual Eduardo Rocha.

Cleverson ainda fez uma crítica aos eventos sobre a temática, realizados no estado, afirmando que maioria não resulta em ações concretas. Neste sentido, ele convocou os presentes a exercer o papel como cidadãos, se unam e cobrem as autoridades.

“A sociedade deve fazer o seu papel e exigir dos poderes constituídos que se engajem nesta luta contra as drogas”, frisou o delegado.

A audiência foi encerrada com a assinatura da Carta de Intenções e com uma homenagem aos palestrantes. Eles receberam uma placa de agradecimento, pelo apoio ao evento.

Da Redação

você pode gostar também