Com poucas chances de ir à Libertadoes, Atlético tenta derrotar até as projeções

Depois de voltar com dois empates como visitante, não há outra opção ao Atlético: vencer seus três últimos compromissos pelo Brasileiro para tentar se garantir na fase preliminar da Copa Libertadores em 2018. Mas a tarefa não será nada simples. Ainda buscando evolução, o time alvinegro não conseguiu nem uma trinca de vitórias nesta edição e tampouco obteve essa sequência de resultados positivos na reta final da competição ao longo dos últimos anos, quando lutava por objetivos diversos, como o título ou para se livrar do risco de rebaixamento.

A última vez em que o Galo terminou um Brasileiro com três vitórias ocorreu em 2007, sob o comando do técnico Emerson Leão, no ano em que voltava à elite nacional depois de vencer a Série B em 2006. Apesar dos resultados positivos contra Juventude (4 a 1), Goiás (4 a 1) e Palmeiras (3 a 1), a equipe alvinegra não alcançou a  há 10 anos: carimbar o passaporte para a Libertadores – terminou numa modesta oitava colocação, a cinco pontos da faixa dos classificados ao torneio internacional.

Dispostos a construir um roteiro diferente agora, os jogadores mantêm a esperança e fazem as contas. Com mais nove pontos na classificação, o time alvinegro atingiria 56, que, na estimativa da comissão técnica, seriam necessários para obter, no mínimo, o sétimo lugar – considerando que o Cruzeiro, que tem a vaga garantida, se mantenha entre os primeiros. A situação no ano passado dá margem à equipe para continuar acreditando. O Corinthians terminou o Brasileiro na sétima colocação, com 55, dois a menos que o Atlético-PR, último classificado ao torneio continental.

Para o técnico Oswaldo de Oliveira, uma vitória sobre o Coritiba, domingo, às 19h, no Independência, pode dar a motivação extra de que o grupo precisa para embalar na reta final. “Continuo otimista. São nove pontos a serem jogados e podemos chegar a 56. Não é impossível vencermos três jogos restantes. Se vencermos o Coritiba, podemos aspirar à vaga”.

Diante das circunstâncias, os empates com Bahia (2 a 2) e Vasco (1 a 1), ambos concorrentes, não foram apontados como negativos pelos atletas, mas impediram que o time alvinegro ganhasse posições na classificação. Após o Coxa, o Galo terá duas pedreiras: o campeão, Corinthians, em São Paulo, e o segundo colocado, Grêmio, em casa. A expectativa é de que o Timão possa poupar titulares, por não ter mais ambições na disputa

O goleiro Victor lamenta que o ano tenha sido ruim, mas prevê muito empenho em busca da Libertadores: “A temporada ainda não acabou. Temos o objetivo de brigar por uma vaga na Libertadores e vamos lutar por isso até o fim. Depois do campeonato, podemos fazer uma análise mais profunda. Vamos tentar vencer os jogos que nos restam, porque ainda temos chances”.

DM Hoje será dia de definições quanto ao aproveitamento do zagueiro Gabriel e do armador Cazares. O primeiro se recupera de pancada na cabeça, e o segundo teve entorse no tornozelo esquerdo.

Da Redação

você pode gostar também