Atacante Jô não assegura sua permanência no Corinthians para a próxima temporada

Embora tenha contrato até 31 de dezembro de 2019 e afirme se sentir feliz no Corinthians, o centroavante Jô não dá como certa a sua permanência no clube do coração na próxima temporada. O jogador de 30 anos, em baixa após sair do chinês Jiangsu Suning, valorizou-se bastante em 2017.

“Posso dizer que vou ficar até o final do ano. Depois, a gente pensará melhor. Se houver proposta, vamos conversar. Não posso garantir uma coisa e, daqui a pouco, a situação ser outra. Aí, vou ser cobrado. Vão dizer que falei que ficaria e não fiquei. Não quero expor ninguém”, defendeu Jô.

Um centroavante que passou recentemente pelo Corinthians já experimentou esse tipo de exposição. Antes com status de ídolo, o peruano Paolo Guerrero desfez a promessa de só defender no Brasil o clube pelo qual foi campeão mundial em 2012 ao receber uma proposta financeiramente mais vantajosa do Flamengo, em 2015, e não foi perdoado por boa parte da torcida.

“Quero ficar até o final do ano. Depois, a gente não sabe, porque o futebol muda muito rápido. Aí, no ano que vem, posso pensar em permanecer mais um ano. E por aí vai”, insistiu Jô.

O centroavante iniciou a sua carreira no Corinthians – é, até hoje, o jogador mais jovem a ter atuado como profissional do clube – e acumulou experiências em CSKA Moscou, da Rússia, Manchester City e Everton, da Inglaterra, Galatasaray, da Turquia, Internacional e Atlético, Al-Shabab, dos Emirados Árabes Unidos, além da passagem pelo Jiangsu Suning.

Quando retornou ao Corinthians, Jô se dizia realizado. O atleta apelou à religião para combater a fama de indisciplinado e acabou premiado com gols, sendo até cotado a ganhar uma nova chance na Seleção Brasileira. No Campeonato Brasileiro, já anotou 12 vezes, atrás apenas de Henrique Dourado (13), do Fluminense.

Os gols de Jô, contudo, rarearam a partir do momento em que o Corinthians entrou em má fase. O líder perdeu três dos seus quatro jogos disputados no segundo turno. “Não só eu, mas toda a nossa equipe foi estudada. Muitas vezes, acabamos bem marcados. Isso é mérito dos adversários. Agora, vamos fazer a nossa parte para retomar o padrão”, comentou.

Da Redação

você pode gostar também