Escola terá biblioteca após 54 anos de inauguração

A Escola Municipal Camila Tomashinsky terá em breve uma biblioteca para chamar de sua. A Prefeitura de Araçatuba homologou licitação no valor de R$ 257.479,86 para construção de local exclusivo para leitura no prédio escolar, que fica na Rua Bolívia, bairro Aclimação. A obra também contemplará adequações nas instalações elétricas e implantação de sistema de combate a incêndio. A novidade acontece após 54 anos de funcionamento da escola, que foi inaugurada em 29 de dezembro de 1962 pelo então prefeito João Cuiabano.

A Secretaria Municipal de Educação (SME) administra atualmente 66 unidades escolares, sendo 27 escolas de Ensino Fundamental e 39 de Educação Infantil. Das unidades de Fundamental, 22 possuem biblioteca; no Infantil são 22 com sala de leitura. Restam ainda 22 unidades sem espaço próprio para leitura na cidade. De acordo com a dirigente de Educação Infantil da SME, Cláudia Simone Brenha Simões, todas as próximas obras que forem realizadas em prédios escolares contemplarão biblioteca ou sala de leitura para os que ainda não possuem.

Ela explica que nos locais onde não há o espaço próprio as equipes utilizam o acervo literário para montar cantos de leitura, fazendo um rodízio para que todas as crianças tenham possibilidade de entrar em contato com os livros. “Então ocorrem projetos de leitura mesmo nessas unidades que ainda não têm um espaço apropriado para isso”, diz. Cláudia era diretora da Escola Municipal Leonísia de Castro, no bairro Higienópolis, e assumiu função na administração da Educação municipal por conta da experiência em desenvolver projetos de leitura na escola.

BUSCANDO O EQUILÍBRIO

Para a dirigente, ensinar as crianças a utilizarem as bibliotecas se tornou um desafio diante do mundo digital. “Você tem uma briga boa para conseguir que o livro seja tão atrativo quanto o celular para a criança, então nós temos que ir atrás de novas maneiras para isso acontecer”, diz. Na opinião dela, as novas tecnologias da informação trazem benefícios, mas podem trazer prejuízos para a educação formal se não houver um equilíbrio. “Existem aplicativos que auxiliam na alfabetização, temos os livros digitais e usamos isso por que nossos alunos são desse tempo, então temos que aprender a viver neste mundo”, diz. “Neste sentido nós usamos essas tecnologias para educar, tudo com bom senso. Temos que ensinar a usar essas mídias para que elas tenham um ganho com isso e não uma perda, como temos visto bastante”, enfatiza.

Uma das medidas são os projetos de leitura. Na escola Leonísia de Castro, cinquentenária como a unidade Camila Tomashinsky, já existe biblioteca, que é frequentada diariamente pelas crianças. Por conta da proximidade os professores, com frequência, levam os alunos para a Biblioteca Municipal, onde ocorrem contação de histórias. Para Vânia Gabas Rossi, atual responsável pela direção da unidade escolar, isso é um privilégio. “A partir do terceiro ano eles fazem a carteirinha da Biblioteca Municipal e já podem escolher seus livros, levar para casa e ler, para depois devolver. Aqui eles convivem com as bibliotecas”, destaca. A unidade organiza rodas de leitura nas salas de aula com a participação de familiares de alunos. “Os pais, avós, tios vêm contar histórias na sala de aula e quando as crianças veem essas pessoas com os livros elas têm mais curiosidade”, afirma.

Cláudia diz que a contação de história faz aflorar o universo lúdico e isso chama a atenção da criança. “A contação de história é uma aliada para desenvolver o gosto pela leitura nos menores. Com os maiores a gente oferta livros de interesse deles, os livros que estão na moda para estimulá-los a ler”. Entretanto, as duas educadoras concordam que, mesmo com bibliotecas e projetos o incentivo da família é fundamental. “Os adultos têm que dar exemplo de leitor para que as crianças o sigam. Livro não é coisa do passado. Crianças leitoras terão um futuro muito melhor, isso é garantido. Elas desenvolvem muito mais o raciocínio que outras crianças que não leem”, conclui Cláudia.

FERNANDO VERGA – Araçatuba

você pode gostar também