Polícia encerra inquéritos e apura outros crimes cometidos por assassino

A Polícia Civil de Andradina e Olímpia concluiu os inquéritos de crimes possivelmente cometidos por Daniel Perpétuo dos Reis Rodrigues, o Daniel Peitudinho, 39 anos. Ele é principal suspeito do crime cometido contra o agricultor V.S., distrito de Jaciporã, em Dracena, no dia 19 de julho. Já no dia 22 de julho, Peitudinho teria matado o professor Belino Valieri, em Andradina e no dia 8 de agosto, é suspeito de ter matado Marcelino Seno, 78 anos, em Olímpia. Ele foi preso no mesmo dia, já em Barretos, com o carro da vítima e outros materiais no interior do veículo. Falta concluir o inquérito de Dracena. Daniel está preso em Colinas e deve ser transferido para o presídio de Icém.

A reportagem apurou que no dia 19 de julho, Peitudinho estava em um bar em Jaciporã, em Dracena, onde estavam outras pessoas. Ele pegou carona com o agricultor V.S., que conduzia uma caminhonete GM Montana. Algum tempo depois, Daniel retornou ao mesmo bar com a caminhonete. Quando perguntaram onde estava o agricultor, ele disse não saber. Desconfiados, as pessoas que estavam no bar saíram à procura do agricultor, que foi encontrado em um canavial bastante ferido. Ele foi socorrido pelos bombeiros e posteriormente transferido para o Hospital Regional de Presidente Prudente. A vítima chegou ao hospital com poucas chances de viver devido à gravidade dos ferimentos, feitos com o macado do carro. Neste semana ele teve alta e se recupera na residência. No local foram encontrados documentos de Daniel Perpétuo dos Reis Rodrigues. A caminhonete foi localizada abandonada na rua Osvaldo Paulino dos Santos, em Dracena. A Justiça de Dracena expediu mandado de prisão temporária por 30 dias.

No dia 23 de julho, foi encontrado o corpo do professor de educação física Belino Valieri, 46 anos, em sua casa, à Rua Alexandre Salomão, em Andradina. Vizinhos disseram que ouviram barulho na madrugada de sábado (22). Valiere estava nu e amarrado. O autor fugiu com a moto Honda CG-180 cc, placa ESD-2507, que pertencia à vítima. Investigações preliminares apontaram para Daniel Perpétuo dos Reis Rodrigues.

TRABALHO POLICIAL
Em Dracena o inquérito é presidido pelo delegado Cleber Batista. A informação é de que nesta semana o delegado o o escrivão da DIG irão até o presídio onde estiver Daniel para ouvi-lo. A polícia de Dracena já ouviu as testemunhas que estavam no bar no dia do crime, só falta ouvir a vítima e Daniel para concluir o inquérito. Ele é suspeito de furto no município.

O inquérito policial da morte do professor Belino Valieri, em Andradina, já foi concluído. Segundo o delegado Tadeu Aparecido Coelho, faltam ser anexados resultados de alguns exames. Porém, o inquérito foi relatado e encaminhado ao fórum. “Apuramos que em fevereiro ele roubou mais duas pessoas em Andradina. Na época as vítimas registraram boletim de ocorrências”, disse o delegado, explicando que as vítimas encontraram com Daniel em um trailer e foram para a casa de um deles para jantar. As vítimas relataram que ele usou algum produto no café que os fez dormir profundamente. Daniel fugiu com vários pertences da casa.

Segundo o delegado Tadeu, em 2015 e 2016, há registros de crimes semelhantes. As vítimas foram para um hotel e acabaram dopadas e dormindo profundamente. Daniel Fugiu levando carro, carteira e outros pertences.

A Polícia Civil de Olímpia também encerrou as investigações e o inquérito do caso foi encaminhado ao fórum. O Daniel está preso na cadeia de Colinas e deve ser transferido para o CDP de Icém. No inquérito de Olímpia foram juntadas cópias dos casos ocorridos em Dracena e Andradina para ilustrar o caso para o juiz e dar ciência da participação dele nos outros crimes.

Segundo o escrivão chefe da Delegacia Seccional de Polícia de Olímpia, Luiz Antônio Silva, Daniel Perpétuo dos Reis Rodrigues foi preso por roubo em 2011 e tem um perfil muito frio. ”Ele é muito calado, falou muito pouco sobre o ocorrido durante seu depoimento, não passou nenhum detalhe. Só disse que entrou na casa e fez tudo sozinho”.

A polícia e os familiares não sabem exatamente o que aconteceu no momento do crime. Não há testemunhas e a família não sabe explicar como tudo ocorreu.

De acordo com o escrivão, idoso assassinato, Marcelino Seno, de 78 anos, era muito pacato e quase não saia de casa. Um irmão da vítima mora ao lado da casa não viu nem ouviu nada estranho na hora do crime.

”Fizemos o inquérito com base nas poucas informações que levantamos com o familiares e os policiais que atenderam a ocorrência; e também com dados da perícia do local”, concluiu o escrivão. (Colaborou Karen Mendes)

Antônio Crispim

você pode gostar também