Náutico trabalha com nomes de Roberto Fernandes, Márcio Goiano e Léo Condé

A diretoria do Náutico sabe que não se pode dar ao luxo de perder tempo. Correndo contra o relógio depois da demissão do técnico Beto Campos, a cúpula que comanda o futebol alvirrubro já trabalha com alguns nomes que surgem como principais postulantes ao cargo de treinador do Timbu. Dentre os favoritos, estão Roberto Fernandes, Márcio Goiano e Léo Condé. Outro nome que corre por fora é o de Marcelo Martelotte.

Favorito da lista, Roberto Fernandes, que já possui três passagens pelo clube, chegou a ter uma breve conversa com membros da diretoria alvirrubra. Recentemente anunciado como novo técnico do Confiança, que disputa a Série C, o treinador teria no contrato uma cláusula que o liberaria da equipe sergipana em caso de convites oriundos de clubes das Séries A ou B. Como colocará a equipe em campo na noite desta segunda-feira, contra o Moto Club, o técnico só teria topado dar continuidade às conversas após a partida. Tanto que até chegou a desligar o celular durante todo o dia.

Léo Condé e Márcio Goiano têm a favor o fato de estarem sem clube. O primeiro deixou o CRB no começo do ano, enquanto o segundo, o Figueirense. Ambos devem ser ouvidos ainda nesta segunda-feira pela diretoria. Por fora, um quarto nome que surge é o do técnico Marcelo Martelotte, que está sem clube desde que deixou o Paraná, no ano passado. Esse último, apesar de ser uma opção que está sendo tratada como “secundária”, agrada aos diretores e pode pintar como surpresa – até pela facilidade que o acerto teria.

NEGATIVAS
A intenção dos dirigentes do Náutico é que o treinador já esteja à beira do gramado no jogo desta terça-feira, contra o Vila Nova, em Goiânia. Afundado na lanterna da Série B com apenas oito pontos em 17 jogos e com poucas chances de permanência na Segundona, o Náutico acabou recebendo duas negativas para iniciar negociações. Os técnicos Marcelo Cabo, demitido recentemente do Figueirense, e o Fernando Diniz, vice-campeão paulista em 2016 pelo Audax, agradeceram o contato, mas não quiseram evoluir as conversas.

Agência Brasil

você pode gostar também