Roubos diminuem 33% na região no primeiro semestre, afirma PM

Balanço divulgado pelo 2º Batalhão da Polícia Militar do Interior (2º BPM/I) mostra que houve uma diminuição de 33% nos roubos neste primeiro semestre dentro das 31 cidades em que o Batalhão atua. O resultado é em comparação ao mesmo período em 2016 e, com relação a 2015, a queda no número de ocorrências de roubos a residências, comércio e transeuntes é de 55%. A população dos municípios atendidos é de 572.808 habitantes.

De acordo com o Comandante do 2º BPM/I, tenente coronel Eurico Alves Costa Júnior, a PM dedica grande parcela de seus esforços na prevenção dos roubos. “São crimes graves, contra o patrimônio, praticados mediante violência física ou grave ameaça à vítima, geralmente com o emprego de arma de foto, faca ou por dissimulação, quando simula que estar armado”, diz. Estima-se que 181 roubos deixaram de ocorrer nestes primeiros seis meses se comparados com o volume de ocorrências do ano anterior. De acordo com a PM, a população ficou menos exposta a ações criminosas de natureza grave, o que reflete melhora na segurança.

DADOS POR MUNICÍPIO
A comparação com os anos anteriores é uma ferramenta para mostrar a evolução do serviço. Com diferenças numéricas significativas como as que estão expostas abaixo é possível notar que 2015 foi um dos mais violentes na região nestes últimos anos.

Em Araçatuba, a cidade mais populosa em que o Batalhão atua, a redução dos roubos foi de 22% neste semestre, 62 crimes a menos que em 2016. Colocando este resultado ao lado dos dados de 2015, a redução deste tipo de crime em 2017 chega a 43%. Em Birigui a segurança nestes primeiros seis meses de 2017 também apresentou melhores resultados, uma vez que o volume de roubos caiu 43%, 72 roubos a menos que em 2016. Comparando com 2015, chega a 61% de diferença.

Penápolis é a cidade em que, proporcionalmente, mais houve redução de roubos: em 2015 foram 93 ocorrências no primeiro semestre ante 11 de 2017, diminuição de expressivos 88%, sendo 82 roubos a menos. Em segundo está Valparaíso, que neste primeiro semestre a redução foi de 82% e comparando com o resultado de 2015 o número é de 83% de melhora. Guararapes aponta 20% a menos de roubos.

PRISÕES
Por outro lado, o número de prisões realizadas pela Polícia Militar aumentou no mesmo período em que os roubos diminuíram. Em toda a região, abrangendo os trinta e um municípios, no primeiro semestre deste ano houve um aumento de 18% na quantidade de pessoas presas (em flagrante delito ou por força de mandado judicial) e apreendidas (adolescentes). Comparando-se com o primeiro semestre de 2015, o aumento de pessoas presas foi de 51%.

O crime que mais se destacou, dentre os que tiveram mais prisões em flagrante, foi o de tráfico de drogas. No primeiro semestre deste ano houve um aumento de 19% em relação ao mesmo período do ano de 2016, e um aumento de 94% em relação ao ano de 2015. Destaca-se também o aumento das pessoas presas por força de mandado judicial, seja em razão de condenação definitiva, seja por conta de prisão provisória. No primeiro semestre deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado, houve um amento de 3%. Contudo, comparando-se com o ano de 2015 (primeiro semestre) o aumento é de 44%.

MOTIVOS
Conforme a PM, a diminuição dos delitos decorre de uma conjugação de medidas e de políticas públicas não somente na área de segurança pública, mas também na área de justiça, planejamento e mobilidade urbana, saúde, educação e outras. “A Polícia Militar vem desenvolvendo uma série de medidas, visando a prevenção criminal, por meio do policiamento ostensivo realizado em áreas de interesse da segurança pública, aquelas em que há mais possibilidade de eclodir o delito, identificadas por meio de análise criminal, bem como objetivando otimizar a repressão imediata, as ações implementadas quando o crime já aconteceu”, explica o Comandante Costa Júnior.

O Comandante afirma ser importante a colaboração das pessoas com informações via 190 ou pessoalmente. Destaca também como primordial a integração que há entre Polícia Civil, Polícia Técnico-Científica, Ministério Público e Poder Judiciário. “Favorece as ações pautadas na legalidade e que produzem efetiva segurança à comunidade”, diz. Ele destaca que a integração não envolve apenas os órgãos responsáveis por conduzir o combate contra o crime, mas também os que promovem ações em benefício da população em situação de vulnerabilidade social e ações para melhoria da mobilidade urbana.

Da Redação

você pode gostar também