Tamiko acompanha atendimento da Campanha Julho Amarelo

A prefeita de Andradina, Tamiko Inoue, esteve no Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) e o Serviço de Assistência Especializada (SAE) para acompanhar os trabalhos realizados pelo setor, em especial os testes rápidos da Campanha Julho Amarelo, referentes ao controle das hepatites virais B e C. Tamiko foi recebida pela médica do ambulatório Terezinha Manteiga, pela coordenadora, Sandra Gomes, pela farmacêutica, Fernanda Rozalen e pela enfermeira Danieli Ortega.

“Nosso trabalho especializado é voltado à prevenção e está preparado para atender nossa população, por isso solicitamos que todos procurem os postinhos de Saúde e realizem os testes, vamos erradicar essas doenças de nossas vidas”, disse Tamiko, que também realizou o teste rápido.

A campanha de alerta foi encerrada ontem (28), mas as Unidades Básicas de Saúde do município realizam os testes periodicamente a pacientes através de agendamentos e solicitações médicas.

Sandra Gomes explica que Andradina se tornou referência no tratamento da hepatite C, oferecendo atendimento para outras cidades da região. “Hoje o paciente recebe todo o cuidado, com um tratamento de alta excelência”, comenta.

O secretário de Saúde e Higiene Pública, Marcelo Gimenez, explica que o atendimento está sendo cada vez mais humanizado. “Nossa equipe está preparada para recepcionar e dar o apoio desde o atendimento nos postinhos e em todas as etapas necessárias”.
O coordenador de Saúde, Demilson Cordeiro da Silva, explica que as hepatites B e C são doenças silenciosas de evolução lenta que ao longo de décadas podem causar complicações como, cirrose, câncer de fígado e até óbito. “Um diagnóstico precoce garante quase 100% de cura no caso da hepatite C”.

Em 2010, a Organização Pan-Americana da Saúde instituiu o dia 28 de julho como o Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais. De acordo com a coordenadora Sandra Gomes, o Ministério da Saúde estima que existam 1,7 milhão de brasileiros portadores do vírus da Hepatite C e 756 mil portadores do vírus da Hepatite B.

Ela ressalta ainda que as hepatites podem ser transmitidas por sangue contaminado presente em objetos como agulhas, alicates de unha, aparelhos de barbear ou qualquer outro objeto que tenha entrado em contato com sangue.

E também pelo uso de material não esterilizado, em colocação de piercing, na realização de procedimentos cirúrgicos ou odontológicos sem adequada esterilização e ainda por pessoas que receberam transfusão de sangue antes de 1993, sexo desprotegido e através da mãe portadora do vírus para o filho.

Da Redação

você pode gostar também