Dono de posto é ameaçado por concorrente

A guerra de preços de combustíveis em Araçatuba ultrapassou os limites da concorrência comercial e virou caso de polícia. Um empresário com mais de 25 anos de experiência no ramo com estabelecimentos em várias cidades, viveu momentos de extrema apreensão no início da noite de quarta-feira (19). Ele foi procurado pelo proprietário de um posto de Araçatuba que estava acompanhado de um homem que apresentava comportamento estranho e em nenhum momento participou da conversa. O empresário foi pressionado pelo concorrente a aumentar o preço do combustível. Ele manteve-se inalterado. Ontem procurou a polícia para registrar boletim de ocorrência de ameaça e já instruiu o advogado para ajuizamento de ação com pedido de medida protetiva para ele e a família.
O empresário revelou com exclusividade ao jornal O LIBERAL REGIONAL e ao Sistema Regional de Comunicação, que comprou o Posto Malibu em Araçatuba há aproximadamente três anos. “Sempre foi procurado pais caro do que o posto de Andradina”, justificou.

A medida do empresário teve reação imediata. Outros estabelecimentos baixaram o preço. Um posto de Araçatuba chegou a ter bombas incendiadas em ato de vandalismo ou atentado criminoso.

Ainda segundo o empresário de Andradina, na semana passada o proprietário de um posto de Araçatuba lhe telefonou para questionar a prática de preços baixos. Foi este mesmo empresário que o procurou no final da tarde de quarta-feira.

O FATO
As câmeras de segurança do posto flagraram o dono de posto de Araçatuba chegando ao posto de Andradina ás 16h50 em um veículo branco, com um acompanhante. Os dois entraram na loja de conveniência. O empresário perguntou pelo proprietário do posto. A funcionária disse que ele não estava. Os dois permaneceram no local. O acompanhante sempre de lado e com as costas para a parede, ação típica de profissional que faz segurança pessoal. O concorrente ainda fez mais algumas perguntas sobre o proprietário do posto.

Os dois homens de Araçatuba andaram pelo pátio, mas isso não chamou a atenção dos funcionários, pois Andradina está realizando os Jogos Regionais e recebendo milhares visitantes.

Pouco antes das 19 horas, o empresário do posto estava na loja de conveniência quando o concorrente de Araçatuba entrou. O acompanhante ficou na porta, observando o movimento do pátio.

Segundo o empresário andradinense, o visitante perguntou pelo seu nome (mostrando que não o conhecia). “Sou proprietário do posto… de Araçatuba e vim aqui para resolver a situação dos postos de lá. Você tem um posto lá que está vendendo muito barato e que havia um posto lá que já havia sido incendiado”, teria dito o dono de posto descontente. O andradinense chegou a retrucar afirmando que foi um ato de vandalismo. “Não foi. Foi porque vendia combustível barato”, teria afirmado o empresário de Araçatuba. “Você vende combustível barato e vim resolver isso agora”, teria afirmando o empresário em tom ameaçador, convidando o outro para conversar fora da conveniência. O andradinense virou as costas e disse: “Se quiser pode colocar fogo no meu”. O outro saiu rapidamente com o homem que o acompanhava.

A conversa foi ouvida por um cliente da conveniência, que se colocou á disposição para ser testemunha. A mulher do dono posto e uma funcionária também ouviram parte da conversa e ficaram assustadas com o tom do visitante. Por isso o empresário, sentindo-se ameaçado, registrou queixa e está entrando com ação na justiça.

MERCADO
O empresário andradinense disse que este é um mercado competitivo e que vez ou outra tem um concorrente que exerce alguma pressão. Porém, jamais sentiu-se intimidado como ocorreu na quarta-feira. “Tenho meu estilo de trabalho e minha política de preços. Não vou mudar por pressão”, reafirmou, admitindo que o combustível em Araçatuba, principalmente o etanol, abaixo de R$ 1,80, é muito barato. Mas disse que é possível vender em média a R$ 2,00.

REPERCUSSÃO
Um empresário, que atua no setor de postos de combustíveis e já teve estabelecimento em Araçatuba, disse que o mercado na cidade é muito complicado. Ele não disse porque é complicado, mas adiantou que não pensa retornar a investir na cidade tão cedo. Ele tem postos na região.

Da Redação

você pode gostar também