Atlético apresenta projeto de viabilidade de estádio a grupo conselheiros e propõe venda de 50% de shopping Diamond Mall

Atlético apresentou, na noite dessa segunda-feira, o projeto de viabilidade financeira para a construção do estádio a um grupo de conselheiros. O presidente Daniel Nepomuceno e outros membros da cúpula do clube estiveram no encontro realizado no Sindicato da Indústria da Construção Pesada no Estado de Minas Gerais (SICEPOT-MG). A principal proposta apresentada foi a da venda de 50,1% do Shopping Diamond Mall ao Grupo Multiplan, por R$ 250 milhões. O valor financiaria grande parte do total estimado para as obras da arena, em terreno no Bairro Califórnia, em Belo Horizonte.

O objetivo da venda de parte do Diamond Mall é aumentar o patrimônio do Atlético. Com a arrecadação de R$ 250 milhões pela venda, o Atlético manteria metade da porcentagem do estabelecimento e conseguiria erguer um estádio avaliado em R$ 468 milhões, em 2020.

Com o acordo, o Atlético estenderia o arrendamento atual do shopping por mais quatro anos, a partir de 2026, com recebimento integral dos 15% anuais durante o mesmo período, além de direito a veto em decisões relativas ao empreendimento.

O valor restante para a construção do estádio também foi planejado. A MRV Engenharia desembolsaria R$ 100 milhões, sendo 60% do valor para a compra do lote. Os R$ 40 milhões seriam para a concessão do naming rights do estádio à empresa. O Atlético, porém, teria a possibilidade de vender o nome da arena a outra companhia, posteriormente. A intenção do clube também é arrecadar R$ 100 milhões com a venda de cadeiras cativas, ao custo de R$ 25 mil cada. Elas serão financiadas em quatro anos. Pelo projeto, a capacidade da arena seria reduzida de 47 mil para 41,800 espectadores.

Daniel Nepomuceno fará a apresentação do projeto do estádio do Atlético a todo o Conselho Deliberativo no dia 7 de agosto. Neste primeiro momento, não haverá debate nem votação. Os conselheiros terão acesso ao plano de construção, com todos os detalhes arquitetônicos, e ao estudo financeiro para custear a obra.

Críticas ao Mineirão 

No projeto apresentado, a diretoria do Atlético mostrou as razões para rechaçar o Mineirão e investir em uma arena própria. Os motivos contrários ao Gigante da Pampulha são: “não carrega a identidade do clube; não possui a magia das décadas de 1980 e 1990; de maneira geral, dá prejuízo; incompatibilidade de praticar preços populares; não foi projetado para explorar outras atividades além do futebol”.

Números apresentados na reunião dessa segunda, no SICEPOT

Capacidade: 41,800
Setores: 12
Camarotes: 36, com 898 lugares, no total
Bares: 46
Restaurantes: 2
Área Vip Lounge: 3,645 lugares

Detalhes apresentados anteriormente

Custo total: R$ 450 milhões
Estacionamento: 2.700 vagas
Distância do 1º assento ao gramado: 6 metros
Cadeiras cativas: 5 mil
Construção: 28 meses (entre 2018 e 2020, após aprovação do Conselho Deliberativo)
Parceiros fechados: MRV Engenharia (R$ 100 milhões – terreno + naming rights) e Banco BMG

Da Redação

você pode gostar também